1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento russo apoia referendo na Crimeia

Legisladores em Moscou dizem que península autônoma seria bem-vinda caso decida se desvincular da Ucrânia e se integrar à Rússia. Iniciativa foi criticada por líderes ocidentais, como Merkel e Obama.

As duas câmaras do Parlamento russo defenderam nesta sexta-feira (07/03) o direito da Crimeia de realizar um referendo sobre sua anexação à Rússia e afirmaram que, caso o povo escolha se desvincular da Ucrânia em 16 de março, a península seria bem recebida por Moscou.

“Nós apoiamos a escolha democrática e livre da população da Crimeia”, afirmou o presidente da câmara baixa (Duma) do Parlamento russo, Sergei Naryshkin, depois de se encontrar em Moscou com uma delegação da península para discutir a possível integração à Rússia.

Na quinta-feira (06/03), o presidente russo, Vladimir Putin, disse que o Kremlin não tinha “nenhuma intenção” de anexar a Crimeia, mas insistiu que a população do território tem o direito de determinar o status da região por meio do voto popular.

O referendo do dia 16, no entanto, dá à população apenas duas opções: juntar-se á Rússia ou continuar com a Ucrânia. “Nós nos interamos da decisão histórica tomada pelo Parlamento na Crimeia de realizar um referendo de entrada na Federação Russa”, disse Valentina Matvienko, presidente da câmara alta do Parlamento russo.

A decisão de realizar o referendo aumentou ainda mais a tensão entre a Rússia e a Ucrânia, depois que protestos populares derrubaram o presidente Viktor Yanukovytch, aliado de Moscou, em meados de fevereiro.

Ao mesmo tempo em que deu apoio à iniciativa da Crimeia, Matvienko preferiu deixar de lado qualquer retórica de guerra. “É uma besteira, não reflete nossas intenções em absoluto ou os sentimentos de empatia e dor que sentimos pelo povo ucraniano”, disse. “Temos certeza de que nunca haverá uma guerra entre as duas nações irmãs.”

A chanceler alemã, Angela Merkel, criticou a atitude do Parlamento da Crimeia de convocar um referendo que, segundo ela, “tem como base uma fundação que nem existe”. O presidente americano, Barack Obama, também foi contra a iniciativa, qualificada por ele como uma violação das leis internacionais.

RM / ap / lusa / rtr

Leia mais