Parlamento grego aprova plano de austeridade, um dia após revoltas | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 06.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Parlamento grego aprova plano de austeridade, um dia após revoltas

Em Atenas, Parlamento grego aprova programa de austeridade do governo. Em Lisboa, tema da Grécia e endividamento de países europeus acabaram dominando reunião do conselho do Banco Central Europeu (BCE).

default

Plano foi aprovado com 172 votos a favor

O Parlamento grego aprovou nesta quinta-feira (06/05) o programa de austeridade de Atenas. A anuência do Parlamento local era condição para liberação dos empréstimos bilionários de ajuda por parte do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos países da zona do euro.

Para sua aprovação, era necessário que pelo menos metade dos 300 deputados votasse a favor do projeto. No final, o programa governamental foi aprovado com 172 votos a favor. Contra a proposta votaram 121 deputados gregos.

Após a aprovação do programa de austeridade governamental, um multidão de 3 mil manifestantes se reuniu em frente ao edifício do Parlamento. Na noite de quarta-feira, três pessoas morreram queimadas durante protestos na capital grega. Devido ao temor de novos protestos, a direção da polícia de Atenas ordenou a vinda de 2.500 guardas de outras partes do país.

Reunião do BCE

EZB Portugal

Jean-Claude Trichet (d) em coletiva de imprensa em Lisboa

O tema da Grécia e a crise de endividamento acabaram dominando, nesta quinta-feira em Lisboa, o encontro da diretoria do Banco Central Europeu (BCE), inicialmente destinado à discussão de política monetária europeia.

Na coletiva de imprensa após o encontro, Jean-Claude Trichet, presidente do BCE, disse não acreditar em uma falência estatal da Grécia. "Uma inadimplência está fora de cogitação". O presidente do BCE afirmou também que seria improvável uma expansão da crise para outros países da zona do euro.

Em Lisboa, o BCE defendeu o apoio especial sem precedentes que está dando à endividada Grécia. "Conhecemos muito bem o pacote de austeridade grego e o consideramos apropriado", afirmou o presidente do Banco Central Europeu. Além disso, o BCE aconselhou os países da zona do euro a aprovarem o pacote de ajuda de 80 bilhões de euros a Atenas.

Ao contrário da expectativa de observadores, o BCE não aprovou, todavia, novas medidas de ajuda à Grécia. Trichet declarou que a compra direta de títulos do governo grego não esteve em discussão. O BCE decidiu manter a taxa básica de juros para a zona do euro em 1%, seu nível mais baixo até hoje.

"Portugal não é a Grécia, Espanha não é a Grécia"

O BCE saudou a anuência do governo grego ao programa de estabilidade acertado com a União Europeia (UE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI). Ao mesmo tempo, Trichet advertiu todos os outros Estados da zona do euro a reduzir suas dívidas. Quanto mais as correções necessárias forem postergadas, mais graves serão as medidas de adaptação, com o elevado risco de perda de reputação e confiança, explicou o presidente do BCE.

Trichet também rebateu o temor de que a crise, que no momento pressiona fortemente o euro para baixo, venha a se espalhar por outros países da união monetária. O presidente do Banco Central Europeu disse que fatos e números indicariam o oposto e que "Portugal não é a Grécia, Espanha não é a Grécia".

CA/dpa/rtr/apn
Revisão: Augusto Valente

Leia mais