Parlamento Europeu retira imunidade de Le Pen | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

União Europeia

Parlamento Europeu retira imunidade de Le Pen

Órgão legislativo da UE anuncia decisão em meio a investigações sobre imagens de vítimas do "Estado Islâmico" postadas pela candidata da extrema direita à presidência da França.

Marine Le Pen

Marine Le Pen é candidata à presidência na França e deputada no Parlamento Europeu

O Parlamento Europeu retirou nesta quinta-feira (02/03) a imunidade parlamentar de Marine Le Pen, candidata da extrema direita à presidência da França. A líder do partido Frente Nacional é acusada de divulgar imagens violentas, no caso de vítimas do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI), postadas no Twitter.

Os legisladores decidiram por larga maioria privar Le Pen, que é deputada no Parlamento Europeu, de sua imunidade no caso, o qual começou a ser investigado por promotores franceses em 2015. Ela pode agora responder a processo.

Leia mais: Discurso de Le Pen vai de críticas à UE a elogios a Trump

Na ocasião, a candidata da extrema direita divulgou imagens de atrocidades cometidas pelo EI para, segundo ela, protestar contra comparações entre a Frente Nacional e o grupo extremista feitas por um apresentador de rádio. Entre as imagens está uma do jornalista americano James Foley. Le Pen retirou a imagem depois de os pais de Foley se mostrarem indignados.

A Justiça francesa abriu uma investigação por "difusão de imagens de violência" e pediu ao Parlamento Europeu que retirasse a imunidade parlamentar de Le Pen. O Parlamento acatou, por ampla maioria, a recomendação pela retirada da imunidade feita pela comissão responsável.

A decisão divulgada nesta quinta-feira diz respeito apenas às postagens no Twitter e não a supostos desvios de recursos do órgão legislativo da União Europeia (UE), dos quais Le Pen também é acusada.

Le Pen lidera as pesquisas eleitorais para a presidência da França, mas perderia no segundo turno, segundo as sondagens.

LPF/afp/dpa

Leia mais