Parlamento Europeu critica junta militar de Mianmar | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.05.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento Europeu critica junta militar de Mianmar

"Não foram oferecidas medidas preventivas, nem a população recebeu a ajuda necessária a tempo", disse Hans-Gert Pöttering. Alemanha duplica para 1 milhão de euros ajuda a país abalado pelo ciclone Nargis.

default

Ajuda da organização alemã Malteser International a Mianmar

O presidente do Parlamento Europeu, o alemão Hans-Gert Pöttering, criticou duramente o procedimento do governo de Mianmar (antiga Birmânia) antes e após a catástrofe provocada pelo ciclone Nargis, que varreu o país asiático no sábado. "A junta militar não conseguiu controlar a situação de forma adequada", disse Pöttering nesta quarta-feira (07/05) em Bruxelas, na abertura da seção do Parlamento.

"Não foram oferecidas medidas preventivas, nem a população recebeu a ajuda necessária a tempo. Por outro lado, é positiva a aceitação da ajuda internacional", acrescentou. Pöttering advertiu esperar do governo que facilite as condições de trabalho da ajuda internacional.

Por outro lado, o presidente do Parlamento Europeu voltou a exigir a libertação da líder oposicionista Aung San Suu Kyi da prisão domiciliar. Em 1990, Aung recebeu o Prêmio Sakharov de Direitos Humanos, concedido pelo Parlamento Europeu.

Alemanha duplica ajuda financeira de emergência

Birma Myanmar Zerstörungen Vogelperspektive

Inundações em Mianmar após o ciclone

Quatro dias após o ciclone Nargis varrer Mianmar, organizações de ajuda internacional começaram a distribuir alimentos nas regiões mais atingidas. Entidades internacionais criticam a falta de cooperação do governo local e acusam a junta militar de não dominar a situação.

Muitos voluntários de organizações que prestam ajuda humanitária estão retidos na Tailândia, à espera da concessão de visto para entrar em Mianmar. As Nações Unidas apelaram ao governo mianmarense que afrouxe as exigências para ingresso no país.

A dimensão da tragédia que abalou o país e o número total de vítimas do ciclone ainda não foram contabilizados. A junta militar informou que houve 22 mil mortos e mais de 40 mil pessoas continuam desaparecidas.

O governo alemão anunciou nesta quarta-feira a duplicação, para 1 milhão de euros, da ajuda de emergência prometida a Mianmar.

Leia mais