1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento Europeu confirma Barroso

Apesar de incertezas, José Manuel Durão Barroso, foi eleito para presidir a Comissão Européia. O ex-primeiro-ministro de Portugal demonstrou independência e conseguiu convencer alguns céticos.

default

Eleito com 60% dos votos: Durão Barroso

Já a sua nomeação para concorrer ao cargo tinha sido difícil. Somente em fins de junho, numa conferência de cúpula extraordinária, os chefes de governo e de Estado dos países-membros conseguiram chegar a um consenso quanto ao nome de José Manuel Durão Barroso para presidente da Comissão Européia.

Sua eleição pelo Parlamento Europeu – tida inicialmente como certa – balançou na última hora, depois que social-democratas e verdes se recusaram a declarar confiança no conservador português. No entanto, a votação em Estrasburgo, nesta quinta-feira (22/07), resultou numa maioria surpreendente para o ex-primeiro-ministro de Portugal. De um total de 708 votos válidos, 413 foram a favor, 251 contra; 44 parlamentares abstiveram-se.

Em meio a sua alegria com o resultado, Barroso foi conciliador, confirmando declaração que já fizera antes e segundo a qual está disposto a cooperar com todos, a fim de "criar uma parceria pela Europa. Uma parceria em prol da prosperidade, da solidariedade e da segurança em nosso continente". "Precisamos de uma coalizão dinâmica, a fim de levarmos a União Européia para a frente", acrescentou.

Enfrentando os grandes

Barroso certamente conseguiu pontos ao se posicionar contra a idéia – defendida pela Grã-Bretanha, França e principalmente Alemanha – de criação de um supercomissário, responsável por questões econômicas, porém com o poder de ingerir-se em outros setores quando necessário.

"Não quero nenhum supercomissário, quero 24 supercomissários – mas que trabalhem numa atmosfera de coleguismo". A demonstração de independência em relação aos governos dos grandes agradou aos parlamentares e, com certeza, também aos menores integrantes do bloco.

Iraque, o principal senão

Grande parte da bancada socialista votou contra o político português, embora conste que existisse um pacto de que votariam a seu favor, em troca da eleição do socialista espanhol Josep Borrell para presidente do Parlamento Europeu. O pomo da discórdia para socialistas e verdes é a posição de Barroso na crise do Iraque, quando se alinhou com os Estados Unidos, como chefe de governo de Portugal. O que eles criticam em especial é que ele nunca tenha se distanciado, considerando o que se sabe hoje a respeito dos motivos que levaram norte-americanos e britânicos à intervenção militar.

Barroso replica que não tem sentido ficar discutindo sobre quem tinha razão. O importante seria chegar a uma harmonia dentro da comunidade que permitisse à União Européia apresentar-se com uma só voz no Conselho de Segurança da ONU.

O novo presidente do órgão executivo da UE vai assumir seu cargo em 1º de novembro. Até fins de agosto, ele quer ter pronta sua lista de 24 comissários – entre os quais pretende nomear oito mulheres – e de suas respectivas atribuições. A Alemanha deverá estar representada na Comissão por Günter Verheugen, que coordenou a ampliação do bloco para o Leste Europeu, concluída em maio deste ano.

Leia mais