Parlamento da Eslováquia rejeita ampliação do fundo de resgate do euro | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 12.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento da Eslováquia rejeita ampliação do fundo de resgate do euro

Deputados podem voltar a analisar o projeto ainda esta semana, com boas chances de aprovação. A rejeição provocou a queda do governo, que havia associado a votação a uma moção de confiança.

default

Governo de Iveta Radicova caiu com a rejeição ao fundo

O Parlamento da Eslováquia rejeitou na noite de terça-feira (12/10) a ampliação do fundo de resgate do euro. Porém, uma segunda votação pode acontecer ainda nesta semana, com grandes chances de aprovação com o apoio da oposição.

Nesta terça-feira, apenas 55 dos 124 deputados presentes votaram a favor da ampliação do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF). Outros nove votaram contra e 60 optaram pela abstenção. Os 22 deputados do partido neoliberal Liberdade e Solidariedade (SaS) não participaram da votação. O governo precisava de 76 votos, ou seja, com o apoio do SaS, a vitória teria sido alcançada.

A oposição social-democrata já anunciou que, numa segunda rodada, apoiará a ampliação do fundo, desde que sejam convocadas eleições antecipadas. Ainda na noite desta terça-feira, o líder da oposição, Robert Fico, e a primeira-ministra Iveta Radicova iniciaram negociações para garantir a aprovação do fundo de resgate.

Ainda não foi definida uma data para a segunda votação, mas o deputado Jan Pociatek, do oposicionista social-democrata Smer-SD, disse que ela poderá acontecer ainda esta semana.

Fico – em cujo governo a Eslováquia entrou na zona do euro em 2009 – destacou a importância da aprovação do FEEF pelo Parlamento eslovaco. “A Eslováquia precisa aprová-lo porque, sem esse pacote conjuntural, a crise só pode aumentar ainda mais.”

Após a votação, Fico declarou que é importante encontrar uma saída para o impasse, mas ressaltou que ainda é o governo de Radicova quem está no comando, mesmo que provisoriamente. O governo da primeira-ministra caiu com a rejeição do FEEF, já que ela havia associado a aprovação do fundo a uma moção de confiança.

Radicova permanece interinamente no cargo até que um novo governo seja formado. De acordo com o procedimento formal, o presidente eslovaco, Ivan Gasparovic, deveria encarregar o líder da maior bancada no Parlamento da formação de um novo governo.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, se declarou otimista quanto à aprovação do FEEF pela Eslováquia. “Estou certa de que, até o dia 23 de outubro, teremos as assinaturas de todos os países-membros [da zona do euro]”, afirmou na Cidade de Ho Chi Minh (antiga Saigon), durante sua visita ao Vietnã.

Ameaça global

A Eslováquia é o único dos 17 países-membros da zona do euro que ainda não aprovou a ampliação do FEEF. A resistência eslovaca ameaça os esforços para tentar salvar os bancos e contornar a crise da dívida grega, mesmo após Atenas ter recebido sinal verde de auditores da União Europeia, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Central Europeu (BCE) para receber dinheiro do fundo de resgate.

Na terça-feira, o Banco Central Europeu (BCE) alertou a zona do euro que a crise da dívida no bloco tornou-se sistêmica e ameaçará a estabilidade da economia global, a menos que ações decisivas sejam tomadas imediatamente.

O apelo dramático diante do Parlamento Europeu foi feito pelo presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, que também preside o Conselho Europeu de Risco Sistêmico, criado para evitar uma repetição da crise financeira de 2008.

Em meio a grandes temores de que a Grécia declare-se incapaz de pagar suas volumosas dívidas, Trichet afirmou que "a grande interconexão do sistema financeiro europeu leva ao rápido crescimento do risco de um contágio significativo. Isso ameaça a estabilidade financeira na UE como um todo e pode impactar de forma negativa a economia real na Europa e fora dela ", afirmou Trichet.

Ajuda necessária

O fundo foi definido quando a Grécia precisou ser socorrida de um default em maio de 2010. Os líderes da zona do euro decidiram então, em julho deste ano, ampliar o montante do FEEF na esperança de conter o agravamento da crise da dívida que atingiu vários países do bloco e que ameaça fortemente a sobrevivência do euro.

Nesta terça-feira, os credores internacionais da Grécia ressaltaram que o país precisa receber uma sobrevida até o próximo mês para evitar a quebra, a fim de ganhar tempo.

Após uma revisão nas finanças gregas, inspetores da "troika" formada pela UE, FMI e BCE disseram que uma parcela de 8 bilhões de euros de ajuda financeira deve ser repassada aos cofres do governo grego no início de novembro – considerando a aprovação final do FEEF.

MS/AS/afp/rtr/dpa/lusa
Revisão: Carlos Albuquerque/Rodrigo Rimon

Leia mais