Parlamento alemão lembra vítimas do genocídio em Ruanda | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.04.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento alemão lembra vítimas do genocídio em Ruanda

Na presença de Merkel, deputados debatem o papel da comunidade internacional na prevenção de massacres como o de 1994 e alertam sobre a necessidade de agira em relação aos conflitos atuais.

default

Merkel e o ministro do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, no Bundestag

O Parlamento alemão lembrou nesta sexta-feira (04/04) as vítimas do genocídio em Ruanda, ocorrido há exatos 20 anos. Os deputados chamaram a atenção para o derramamento de sangue nos dias atuais e lançaram questões sobre a eficácia da comunidade internacional em prevenir massacres. A sessão contou com a presença da chanceler federal Angela Merkel.

O ministro do Exterior alemão, Frank-Walter Steinmeier, ressaltou que "todo o possível" deve ser feito para a prevenção de massacres como o de Ruanda. "Não se fala mais em genocídio, mas ainda ocorrem intermináveis derramamentos de sangue no Congo, na África Central e na Síria", alertou o ministro.

Vários membros do Parlamento levantaram questões sobre a responsabilidade da comunidade internacional de evitar massacres como o de 1994. No entanto, não especificaram de que forma seria possível um maior comprometimento para evitar os genocídios.

Steinmeier lembrou que após o Holocausto os alemães declararam "nunca mais", em repúdio aos assassinatos em massa. "Mas nós [a comunidade internacional] não conseguimos manter a promessa", lamentou. O Ocidente fracassou em Ruanda, apontou o ministro, que lembrou que as forças de paz da ONU chegaram a ser retiradas em meio à violência.

O ministro disse ainda que em sua viagem à África na semana passada ficou claro que os africanos não querem ser vista como "pedintes", ao requererem ajuda internacional. Ele reiterou o desejo dos europeus de que os africanos possam "seguir seu destino como queiram". As nações africanas, afirmou, são vistas cada vez mais como parceiras.

Entre abril e junho de 1994, cerca de 800 mil pessoas foram assassinadas no genocídio de Ruanda. A maioria das vítimas era da etnia tutsi, embora também tenham sido mortos hutus, etnia responsável pelo massacre.

Leia mais