Parlamento alemão aprova lei sobre testamento vital após longo debate ético | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 18.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Parlamento alemão aprova lei sobre testamento vital após longo debate ético

Na Alemanha, as pessoas podem definir de antemão o tipo de tratamento médico que desejam, caso percam a habilidade mental para decidir. Nova lei garante respeito à vontade do paciente, mesmo que isso implique sua morte.

default

Paciente tem a última palavra

Após seis anos de impasse em torno de questões éticas, o Parlamento alemão aprovou nesta quinta-feira (18/06) um projeto de lei que pela primeira vez regulamenta juridicamente o testamento vital. No futuro, os médicos alemães terão que respeitar o desejo fixado por escrito pelo paciente, mesmo que isso implique a morte deste.

Em caso de dúvida, o tribunal

Um testamento vital assegura ao paciente o direito de decidir sobre seu tratamento médico até o fim da vida. Na declaração escrita, a pessoa pode estipular como quer ser tratada em caso de uma doença grave ou de um acidente que a incapacitem de se pronunciar sobre a questão.

Isso é importante sobretudo para quadros clínicos de demência ou coma. O testamento vital também pode nomear uma pessoa de confiança, autorizada a tomar decisões sobre o tratamento de acordo com a vontade do paciente.

A lei recém-aprovada pelo Bundestag, câmara baixa do Parlamento alemão, cria uma base jurídica para assegurar a validade do testamento vital, independentemente do estágio da doença. O desejo anteriormente expresso pelo paciente agora incapaz de decidir deverá ser respeitado, mesmo se ele tiver optado pela interrupção de um tratamento que o mantenha vivo.

Caso o testamento vital não condisser mais com o quadro atual da doença e caso o paciente não houver formulado nada por escrito, o médico e os responsáveis deverão tomar uma decisão em conjunto. Aos responsáveis cabe a tarefa de descobrir e representar o suposto desejo do paciente. Se houver discordância entre os responsáveis e os médicos, um tribunal deverá dar a palavra final.

A lei recém-aprovada não invalida 9 milhões de testamentos vitais já registrados na Alemanha. Eles não precisam ser reformulados.

Até que ponto defender o direito à autodeterminação?

O projeto de lei formulado pelo deputado social-democrata Joachim Stünker obteve 317 de 555 votos no Bundestag. A proposta foi rejeitada por 233 parlamentares; cinco deputados se abstiveram. Os dois projetos de lei concorrentes, formulados respectivamente por um deputado democrata-cristão e outro social-cristão, não obtiveram maioria.

No terceiro e último debate do Bundestag sobre esse tema ocorrido nesta legislatura, os parlamentares discutiram sobre uma questão ética central: até que ponto o direito constitucional pode garantir às pessoas o direito de autodeterminação.

Os três diferentes projetos de lei sobre o testamento vital debatidos pelos parlamentares em Berlim se diferenciavam quanto ao reconhecimento da liberdade pessoal em decidir sobre o final da vida.

Stünker, autor do projeto aprovado, assinalou que o direito de autodeterminação garantido pela Constituição também deveria valer para a fase final da vida. O democrata-cristão Wolfgang Bosbach, mentor de um dos projetos rejeitados, alegou que a Constituição também obriga o Legislativo a se empenhar pela proteção à vida. E Wolfgang Zöller, responsável pela proposta social-cristã, alertou que o testamento vital não pode se tornar um automatismo que permita simplesmente desligar as máquinas que mantêm o paciente vivo.

As maiores críticas ao projeto recém-aprovado partiram da Conferência dos Bispos da Alemanha, segundo a qual a lei enfatiza unilateralmente o direito de autodeterminação do paciente. O desejo manifestado por uma pessoa com saúde não pode ser igualado ao desejo de alguém que esteja à beira da morte e não possa mais se expressar, comentou o arcebispo Robert Zollitsch.

SL/dpa/epd/kna
Revisão: Augusto Valente

Leia mais