1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parciais indicam vitória do partido do governo na África do Sul

Mesmo com queda na preferência do eleitorado, Congresso Nacional Africano lidera eleições parlamentares. Mas pobreza, desemprego e acusações de corrupção diminuíram vantagem da legenda há 20 anos no comando do país.

Apesar da queda na preferência do eleitorado, o partido do governo, Congresso Nacional Africano (CNA), lidera as eleições parlamentares na África do Sul, de acordo com resultados parciais. Após a contagem de cerca de 30% das cédulas, o CNA detinha cerca de 58% dos votos na manhã desta quinta-feira (08/05), quase oito pontos percentuais a menos em relação ao resultado da eleição anterior. Em 2009, a legenda conquistou 65,9% dos votos.

Segunda colocada, a Aliança Democrática detinha cerca de 28%, quase duplicando seu resultado anterior. O recém-fundado Economic Freedom Fighters, de esquerda, mantinha a terceira posição, com cerca de 4%.

A participação dos eleitores foi considerada "extremamente alta", especialmente nas grandes cidades, segundo a comissão eleitoral independente Vote Watchdog. O resultado final é esperado somente para sexta-feira.

O CNA tinha entrado na campanha como claro favorito, e um resultado abaixo de 60% será considerado um revés, colocando em questão a liderança do presidente sul-africano, Jacob Zuma. No país, o presidente é eleito pelo Parlamento, e Zuma provavelmente conseguirá se reeleger para mais cinco anos de mandato.

Críticas ao CNA

Nos últimos anos, vem crescendo as críticas ao CNA, que governa o país desde o fim do apartheid, em 1994. O descontentamento é embalado por uma taxa de desemprego de 24%, um grande abismo entre ricos e pobres, e a percepção da opinião pública de que muitos líderes políticos estão interessados, principalmente, em enriquecer.

Wahlen Südafrika 2014

Presidente Jacob Zuma: resultado menor que 60% pode ameaçar autoridade de líder do CNA

Em Joanesburgo, houve tumultos violentos na noite anterior à eleição. Em Bekkersdal, no nordeste do país, moradores bloquearam ruas com pneus em chamas, de acordo com a polícia. A mídia sul-africana informou que em pelo menos um local de votação ocorreu um atentado incendiário. Carros da polícia foram apedrejados. Bekkersdal é um dos povoados com altas tensões sociais para onde o Exército havia sido enviado antes das eleições, visando evitar tumultos.

Tutu descartou voto no governo

O Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu disse, depois de votar na Cidade do Cabo , ser "maravilhoso poder votar de forma relativamente pacífica, ao contrário de outros países". O ex-arcebispo anglicano havia afirmado antes da eleição que, "numa sociedade em que crianças vão para a cama com o estômago vazio", ele não iria votar no CNA desta vez.

O presidente Zuma votou em sua cidade de origem, Nkandla. O local tornou-se sinônimo de enriquecimento ilícito de ex-combatentes do apartheid hoje no poder. Zuma, que esteve preso em Robben Island entre 1963 e 1973, juntamente com Nelson Mandela, é acusado de reformar sua residência privada usando dinheiro do contribuinte, em obras que custaram o equivalente a 15 milhões de euros. O prédio dispõe hoje de heliporto, anfiteatro e clínica privada.

MD/afp/dpa

Leia mais