1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Para todo músico é fantástico trabalhar na Alemanha"

O nipo-americano Kent Nagano é um dos grandes regentes de nosso tempo. Em entrevista exclusiva, ele fala de seu trabalho em Berlim, dos novos caminhos para a música clássica e da cooperação com a Deutsche Welle.

default

Kent Nagano em 'Monumentos da música clássica', DW-TV

Deutsche Welle: Entre a Deutsche Symphonie Orchester (DSO), o senhor e a Deutsche Welle (DW) desenvolveu-se nos últimos anos uma colaboração estreita. Primeiro a série da DW-RADIO Kent Nagano em Berlim , em 13 capítulos, depois os concertos em Sofia, Moscou, Bucareste e Varsóvia, e agora a série para a DW-TV Monumentos da música clássica . Quão importantes são estes projetos para a orquestra e o senhor, pessoalmente?

Monumente der Klassik

Diretor geral da DW, Erik Bettermann (esq.), apresentadora Jenny Elvers e Kent Nagano, em maio de 2005

Kent Nagano: A cooperação entre a DSO e a DW é extremamente valiosa. Trabalhamos de forma estreita e sobretudo com grande prazer com a DW. Encontramos parceiros que, assim como nós, estão interessados numa prática de concertos plena de sentido, e que vêem como sua tarefa tornar o que há de específico em nosso trabalho acessível em nível internacional.

O fato de podermos, com a DW, ir a Bucareste, Varsóvia e agora, em breve, Abu Dhabi, não seria possível sob condições normais, no atual sistema de turnês orquestrais internacionais.

Estamos muito gratos por isso e ficamos felizes de termos tais possibilidades, graças à DW. Porém uma tal parceria também implica responsabilidades e obrigações. É o que torna especiais tais cooperações. A partir daí nascem sempre novos impulsos e desafios à capacidade de desempenho.

O senhor esteve recentemente em Varsóvia e Bucareste. Qual foi sua impressão da ressonância junto ao público?

Foi espantoso o carinho com que estas cidades nos acolheram, e que público fantástico tivemos. Foi extraordinária a reação em Bucareste a nosso programa especial com dois jovens compositores – a coreana Unsuk Chin e Jörg Widmann, de Munique –, em conexão com o Concerto para clarinete e a Sinfonia "Júpiter", de Mozart. Com este concerto enfatizamos algo bem específico de nosso trabalho artístico. Neste sentido nos encaramos realmente como "embaixadores", empenhados por uma prática musical viva.

Quais são suas expectativas quanto à série televisiva Monumentos da música clássica ?

Monumente der Klassik - Kent Nagano, DW-TV

Regente Kent Nagano

Que papel pode desempenhar a mídia na veiculação da arte e da cultura, em especial da música?

Um papel naturalmente importantíssimo. Um ponto central para mim é: até que ponto o aspecto espetacular de mídia, o caráter de evento, fica em primeiro plano, ou se a ênfase é realmente transmitir aos ouvintes e telespectadores a qualidade única do trabalho artístico, no sentido de seu significado existencial.

Na qualidade de regente de fama mundial, o que o senhor pode fazer no sentido de conquistar um público mais jovem para a música clássica e contemporânea?

Enquanto observamos em todo o mundo um interesse elevado pela música clássica, vemos também o problema de que atualmente os jovens relutam em procurar o acesso a ela. Neste sentido, é vital o papel conferido à música e às matérias artísticas dentro do sistema educacional. Contudo, acredito na força e na significação inalterada da música clássica. Acho que devemos refletir muito mais sobre as estruturas de apresentação em que ela é oferecida ao público. Talvez aí residam os principais problemas para as pessoas mais jovens.

Mas, concretamente: em Berlim desenvolvemos projetos com músicos de nossa orquestra, com o fim de aproximar os jovens da música clássica, possibilitando-lhes diversas vias de acesso. A nós, regentes, cabe uma grande parcela de responsabilidade a este respeito, já que a opinião pública nos concede tanta atenção.

Em 2006 o senhor deixará o posto de maestro titular da DSO, tornando-se diretor musical da Bayerischer Staatsoper de Munique, e manterá, portanto, suas atividades na Alemanha. É mero acaso, ou foi uma decisão consciente?

Podcast-Cover 330x244 Monumente der Klassik

Imagem de 'Monumentos da música clássica'

A cena orquestral de Berlim passa por uma transformação. Para onde vai esta trajetória, e que perspectivas tem a DSO?

Infelizmente nunca se pode dizer exatamente para onde as circunstâncias levam, Mas acredito que nós, a orquestra e eu, desenvolvemos algo bastante essencial: demos à prática de concertos e ao trabalho artístico da DSO um rosto bem próprio e uma nova qualidade. Prova disso são as reações positivas em Berlim e em todo lugar onde tocamos publicamente.

Tentamos conferir ao nosso trabalho um "sentido", reconhecível externamente. E desse modo também aprofundamos o seu caráter programático. Convidamos compositores como composer in residence, instituímos um Prêmio Schoenberg para compositores contemporâneos importantes, a orquestra realiza projetos para crianças e adolescentes com o fim de desenvolver o interesse a longo prazo. Nisso tudo há perspectivas muito positivas, até porque se reconhece, também fora de Berlim, que a Deutsche Symphonie Orchester representa um papel especial e altamente atraente.

Para todo músico é algo fantástico trabalhar e atuar na Alemanha. Aqui se percebem as tradições, e elas são cultivadas com uma abrangência sem igual no mundo. Considere que na Alemanha há bem mais de 100 orquestras sinfônicas profissionais, sem contar as muitas outras atividades. Estou felicíssimo por meu caminho artístico me haver trazido à Alemanha e a Berlim. Fui convidado pelo secretário da Cultura da Baviera para ser diretor musical da Ópera Nacional de Munique, estou muito feliz por esta convocação.

Essa série é algo muito especial. Apresentamos "obras-primas" – a 8ª sinfonia de Bruckner, a "Júpiter" de Mozart, a "Eroica" de Beethoven –, um total de seis. A idéia é introduzir o público nestas obras de forma altamente original, em seus antecedentes, seu processo de criação e diferentes qualidades técnicas e estéticas. Isso, porém, em relação estreita com o trabalho orquestral concreto. Esperamos despertar com esta série, que é também eminentemente televisiva, um novo interesse e novo impulso para a tradução pela mídia da "música clássica".

Leia mais