1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Para ministro, agressões sexuais em Colônia foram planejadas

Ministro alemão da Justiça afirma acreditar que os acontecimentos do réveillon de Colônia foram "coordenados ou planejados" e acusa grupos de extrema direita de propagar a xenofobia.

O ministro alemão da Justiça, Heiko Maas, afirmou acreditar que as

agressões sexuais ocorridas na noite de réveillon em Colônia

foram "coordenadas ou preparadas" e acusou grupos xenófobos e de extrema direita de tentarem tirar vantagem dos acontecimentos para propagar o ódio.

Em entrevista ao jornal alemão Bild am Sonntag publicada neste domingo (10/01), Mass deixou claras suas suspeitas de que os crimes que chocaram o país não surgiram espontaneamente. "Que ninguém venha me dizer que isso não foi coordenado ou preparado", disse o ministro. "Minha suspeita é que essa data foi escolhida propositalmente, e que um determinado número de pessoas já era aguardado. Isso daria, mais uma vez, uma nova dimensão [aos crimes]".

O jornal forneceu detalhes de um relatório oficial do Departamento Federal de Investigações da Alemanha (BKA), que menciona o uso de redes sociais por alguns imigrantes do norte da África para encorajar seus conterrâneos a comparecer ao largo em frente à estação central, do lado da Catedral de Colônia.

Heiko Maas SPD

Maas advertiu contra a generalização em relação a imigrantes

Mass, porém, advertiu contra a generalização em relação a imigrantes. "Presumir a partir da origem de uma pessoa se ela é mais ou menos propícia a cometer crimes é algo irresponsável", disse o ministro, acrescentando que "não faz nenhum sentido" tomar esses crimes como prova de que os estrangeiros não estão aptos a se adaptarem à sociedade alemã.

Na reportagem do Bild am Sonntag, Mass acusa o partido eurocético e de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) e o movimento anti-imigração Pegida de usarem os eventos de Colônia para propagar a xenofobia. Para ele, AfD e Pegida estavam apenas esperando para que algo assim acontecesse. "Se não, como explicar essa vergonhosa agitação generalizada contra estrangeiros que eles estão fazendo."

Maas ressaltou que não há justificativa para o que aconteceu em Colônia. "O background cultural não justifica nem desculpa nada. Não é aceitável nem mesmo como explicação. Aqui, entre nós, homens e mulheres têm direitos iguais em todos os aspectos. Todos os que vivem aqui devem respeitar isso."

Nos próximos dias, o Partido Social-Democrata (SPD), de Maas, deverá se unir ao parceiro da coalizão governista, a União Democrata Cristã (CDU), para apresentar novas leis ao Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão) que visam

acelerar a deportação de requerentes de asilo que cometerem crimes

no país.

RC/afp/kna/dpa/ots

Leia mais