Paquistão depende de ajuda humanitária para combater danos causados por enchente | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Paquistão depende de ajuda humanitária para combater danos causados por enchente

Ceticismo em relação ao emprego de verbas públicas e donativos particulares podem ser sério obstáculo à ação humanitária em regiões de catástrofe, diz porta-voz da organização CARE. No Paquistão, situação é crítica.

default

Sobreviventes das inundações em luta de vida ou morte

A "enchente do século" no Paquistão afeta 20 milhões de pessoas. Apesar de contarem agora com o abrigo de milhares de tendas, é enorme o número daqueles que dependem do abastecimento com alimentos, água limpa, cobertores. O número das vítimas fatais chega a 1.500 e 800 mil pessoas permanecem isoladas de qualquer forma de auxílio.

Quatro semanas depois da catástrofe, inúmeros fatores dificultam o trabalho dos que prestam assistência. Cresce o temor de atentados terroristas contra os colaboradores das organizações humanitárias ocidentais: segundo o governo norte-americano, o Tehrik-e-Taliban – maior e mais perigoso grupo terrorista paquistanês – teria planos neste sentido.

Nesta quinta-feira (26/08), o porta-voz dos talibãs Azam Tariq classificou como "inaceitável" a presença no Paquistão das organizações ocidentais. Sem ser mais explícito, ele declarou que, no fundo, a meta dos Estados Unidos e de outras nações não seria ajudar e que os reais interesses desses países seriam bem outros.

NO FLASH Überschwemmung in Pakistan

Flagelados esperam ajuda na província de Sindh

Dúvida fatídica

A ajuda humanitária depende de bem mais do que boa vontade. As organizações sediadas na Alemanha apelam ao governo do país para que contribua mais no combate à catástrofe do Paquistão, apesar de Berlim já haver disponibilizado 25 milhões de euros para este fim. E também considerando que as próprias organizações, reunidas sob a aliança Deutschland Hilft (Alemanha ajuda), já angariaram 16 milhões de euros.

Os donativos particulares são essenciais e, neste contexto, o ceticismo em relação ao emprego final do dinheiro pode ser um sério obstáculo. Um blog do site Welt online comenta: "Mesmo as organizações humanitárias mais sérias têm que empregar uma parte das verbas para, diariamente, convencer os dignitários locais. E é para isso que eu vou doar? Não!"

Thomas Schwarz, porta-voz da organização CARE, esteve durante duas semanas no Paquistão e rebate esse ponto de vista, baseado em sua própria experiência. Embora sem poder colocar a mão no fogo por todos os envolvidos, ele afirma que, no caso da CARE e das outras organizações alemãs de âmbito internacional, "o dinheiro que é doado realmente chega aonde devia".

Solidariedade em meio ao desastre

Porém a demanda de verbas para os flagelados do Paquistão permanece enorme. "Precisamos de mais donativos e de verbas de instituições públicas como o governo alemão ou a União Europeia, pois, com o dinheiro que temos agora, certamente poderemos fazer algo nas próximas semanas, mas já vemos agora que a água está recuando no norte, e aí poderemos julgar a real extensão [dos estragos]. Há gente que não tem o que comer regularmente, talvez de dois em dois dias. Isso enfraquece as pessoas e não podemos esperar", relatou Schwarz em entrevista à emissora Deutschlandradio.

Pakistan Überschwemmung Flutkatastrophe Flüchtlinge

imagens de desespero

Apesar de todas as dificuldades, Schwarz não tem dúvidas em classificar como efetivo o trabalho da CARE e de outras. "Tentamos realmente mobilizar todo tipo de apoio. Naturalmente temos coordenação in loco com as Nações Unidas, que por sua vez está em contato com o governo. Tomamos cuidado para não 'pisarmos uns nos pés dos outros', ao agirmos no mesmo local. Dividimos as tarefas: um faz isto, o outro faz aquilo. Considero isso efetivo."

Em meio a uma desolação que ele define como "inimaginável", Schwarz pôde vivenciar momentos de altruísmo que o impressionaram muito. Como a jovem no sul de Punjab, no oitavo mês de gravidez, que nem sabia como daria à luz seu bebê. "Ela teve que deixar sua aldeia e vivia junto com todos os habitantes, cercada de gatos, cães, cabras e vacas, que urinavam e defecavam no mesmo lugar". Ainda assim, a jovem apontou para uma mulher grávida de nove meses, dizendo: "Vocês têm que primeiro cuidar dela".

Autor: Hanns Ostermann / Augusto Valente
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais