1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papel do Brasil na crise do Equador agrada europeus

Oferta de asilo a Gutiérrez é vista por especialista alemã em América Latina como positiva para imagem do Brasil na Europa. Críticas à política de ajuda ao desenvolvimento a países latino-americanos.

default

Protestos diante do palácio do governo em Quito

O papel do Brasil na crise do Equador é de fundamental importância para consolidar o país como global player e fortalecer, assim, as ambições brasileiras a um mandato permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. É o que afirmou em entrevista à DW-WORLD a ex-correspondente do jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung no México e ex-chefe do Programa da DW-RADIO para a América Latina, Portugal e Espanha, Hildegard Stausberg.

"A estratégia brasileira de ajudar a resolver a crise no Equador fortalece a imagem do Brasil no exterior. Na Europa, uma intervenção dessas sempre é vista de forma positiva, pois os europeus procuram parceiros que participem de ações no cenário internacional", disse a perita em América Latina do jornal Die Welt.

Lucio Gutierrez in Bedrängnis

Lucio Gutiérrez

Para Stausberg, a crise no Equador tem várias razões, uma delas é "a profunda divisão da sociedade equatoriana, em classe média baixa e população indígena". O ex-presidente Lucio Gutiérrez fora eleito em segundo turno em novembro de 2002, quando derrotou o "barão das bananas" Alvaro Naboa, com 54% dos votos. Sua campanha por um novo Equador, "limpo sob o aspecto político", captou simpatias especialmente por assumir sua origem indígena.

Economia de vento em popa

"Uma vez no poder, ele se cercou de amigos e parentes demais, o velho modelo da política latino-americana", afirma Stausberg. Hoje, o país mão é mais governado pela razão, salienta. Da mesma forma como na Bolívia, também ali há muitos indícios de ingovernabilidade, em que acima de tudo grupos radicais indígenas provocam instabilidade, sem que a classe política possa se mobilizar contra isso.

Graças à competência do ministro das Finanças, Mauricio Pozo, e aos altos preços do petróleo, no ano passado o país teve um crescimento econômico de 6%. Quem teve proveito disso, no entanto, foi uma minoria da população de 13 milhões de habitantes. "Quem pode, deixa o país em direção à Europa", comenta Stausberg. Na Espanha, por exemplo, vivem mais de meio milhão de equatorianos.

"As remessas bancárias dos emigrados no ano passado somaram quase dois milhões de dólares, tornando-se a maior fonte de divisas do país, depois das reservas de petróleo", constata Stausberg.

Apoio político em vez de ajuda econômica

Proteste in Ecuador

Manifestações contra o governo equatoriano

Os políticos começaram a perder o apoio da população e, da mesma forma como na Argentina, o povo começou a clamar pela renúncia do governo. "Deixar o poder foi a única saída de Gutiérrez", salienta.

Para a especialista em América Latina, o maior problema é a fraqueza da democracia como instituição no subcontinente. Faltam lideranças políticas fortes na sustentação do governo. A infinidade de interesses regionais esvazia o governo. Candidatos populistas não são a solução", critica Hildegard Stausberg.

Na sua opinião, em vez dos 538 milhões de euros de ajuda ao desenvolvimento concedidos pela Alemanha ao Equador, os europeus deveriam incentivar o que chama de "consenso político nacional". Há enormes chances a serem aproveitadas na América Latina, como por exemplo na Bolívia, um país riquíssimo em reservas de gás natural. Para que então enviar ajuda ao desenvolvimento?, pergunta.

A jornalista adverte que crises semelhantes à do Equador podem se repetir em outros países da região. A situação ainda não é plenamente satisfatória, por exemplo, na Venezuela, onde a estabilidade ainda não se consolidou. Pode-se citar também o Peru, a Argentina, e muitos outros, conclui Hildegard Stausberg.

Leia mais