1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papa propõe reforma da Igreja em sua primeira exortação apostólica

Documento critica ordem econômica global e seu papel na geração da violência. Francisco enfatiza necessidade de abertura da Igreja católica, tanto em suas estruturas internas como em direção a outras religiões.

default

Papa Francisco

A reivindicação de um mundo mais justo e de uma Igreja Católica a serviço dos pobres foi o cerne da primeira exortação apostólica do papa Francisco, divulgada nesta terça-feira (26/11) pelo Vaticano.

As exortações apostólicas são documentos papais, contendo recomendações a determinados grupos, como ao clero, por exemplo. Em termos de solenidade, situam-se abaixo das encíclicas e acima dos breves e das cartas apostólicas.

Em Evangelii Gaudium (Alegria do Evangelho), o pontífice condena os excessos da ordem econômica global e propõe linhas-mestras, tanto para uma difusão da mensagem cristã condizente com a época atual, como para uma reforma das estruturas eclesiásticas, dando maior ênfase às igrejas diocesanas. "Uma centralização excessiva, em vez de ajudar, complica a vida da Igreja e a sua dinâmica missionária", observa.

Injustiça como causa de males sociais

Segundo Francisco, a secularização, o individualismo ideológico e uma onda avassaladora de consumo teriam levado à atual "desertificação espiritual". A tarefa da Igreja seria reagir a esse estado de coisas, lembrando os seres humanos da mensagem divina.

Como principal causa de todos os males sociais e violência, ele aponta a distribuição desigual da riqueza no mundo, provocando a reação brutal dos excluídos: "O sistema social e econômico é injusto na sua raiz", afirma. Enfocando a necessidade de os cristãos ouvirem o clamor dos pobres "em todo o lugar e circunstância", ele cita literalmente um texto da Conferência dos Bispos do Brasil,

Vatikan Präsentation des päpstlichen Lehrschreibens Evangelii Gaudium

Apresentação do "Evangelii Gaudium" no Vaticano

"Desejamos assumir, a cada dia, as alegrias e esperanças, as angústias e tristezas do povo brasileiro, especialmente das populações das periferias urbanas e das zonas rurais – sem terra, sem teto, sem pão, sem saúde – lesadas em seus direitos. Vendo a sua miséria, ouvindo os seus clamores e conhecendo o seu sofrimento, escandaliza-nos o fato de saber que existe alimento suficiente para todos e que a fome se deve à má repartição dos bens e da renda. O problema se agrava com a prática generalizada do desperdício."

O papa argentino remete repetidamente a seus antecessores Bento 16, João Paulo 2º e Paulo 6º, sempre em contextos elogiosos. Por outro lado, critica o "obscuro mundanismo" dos que se prendem a "um certo estilo católico próprio do passado".

"É uma suposta segurança doutrinal ou disciplinar que dá lugar a um elitismo narcisista e autoritário, onde, em vez de evangelizar, se analisam e classificam os demais e, em vez de facilitar o acesso à graça, consomem-se as energias a controlar."

Crítica a "mundanismo" e conflitos na Igreja

No documento de 200 páginas, o pontífice distingue diferentes manifestações dessa postura obscuramente mundana, voltada a "dominar o espaço da Igreja". Uma delas se exprimiria num "cuidado exibicionista da liturgia, da doutrina e do prestígio da Igreja", sem cuidar "que o Evangelho adquira uma real inserção no povo fiel de Deus e nas necessidades concretas da história". Assim, a Igreja "transforma-se numa peça de museu ou numa possessão de poucos", resumiu.

Como antídoto, ele sublinha a necessidade de aumentar a responsabilidade dos laicos e aconselha os padres católicos a usarem uma linguagem positiva e compreensível, que vá ao encontro das necessidades da comunidade.

Mas o "mundanismo espiritual" na Igreja, prossegue a exortação, também pode se esconder "por detrás do fascínio de poder mostrar conquistas sociais e políticas". Ou se "traduzir em várias formas de se apresentar a si mesmo envolvido numa densa vida social cheia de viagens, reuniões, jantares, recepções".

Segundo o texto, outra manifestação desse mundanismo se desdobra "num funcionalismo empresarial, carregado de estatísticas, planificações e avaliações", cujo principal beneficiário é "a Igreja como organização" e não "o povo de Deus".

O papa apela para o fim dos conflitos e guerras internas na comunidade eclesiástica. Ele mencionou que lhe dói muito "comprovar como em algumas comunidades cristãs, e mesmo entre pessoas consagradas, se dá espaço a várias formas de ódio, divisão, calúnia, difamação, vingança, ciúme, a desejos de impor as próprias ideias a todo o custo, e até perseguições que parecem uma implacável caça às bruxas". "Quem queremos evangelizar com estes comportamentos?", questiona.

Liberalidade papal e seus limites

A postura tendencialmente liberal do líder católico de 76 anos nascido em Buenos Aires se manifesta em sua reivindicação de uma Igreja "aberta" – já a partir dos sacramentos, cujas portas, disse, não "se deveriam fechar por uma razão qualquer".

Vatikan Präsentation des päpstlichen Lehrschreibens Evangelii Gaudium

Exortação apostólica confirma tendência liberal do pontífice

O princípio se aplica em especial ao batismo, mas também à eucaristia, que "não é um prêmio para os perfeitos, mas um remédio generoso e um alimento para os fracos", observa. Mas José Mario Bergoglio não menciona em Evangelii Gaudium os divorciados em segundo matrimônio, aos quais permanecem vedados sacramentos como a confissão e a comunhão.

Parte da exortação apostólica se ocupa do papel da mulher na sociedade, "com uma sensibilidade, uma intuição e certas capacidades peculiares", como a solicitude, "que se exprime de modo particular, mas não exclusivamente, na maternidade".

"As reivindicações dos legítimos direitos das mulheres, a partir da firme convicção de que homens e mulheres têm a mesma dignidade, colocam à Igreja questões profundas que a desafiam e não se podem iludir superficialmente", observou o papa. No entanto, o sacerdócio reservado aos homens é para o líder "uma questão que não se põe em discussão".

Diálogo com não cristãos

Francisco disse, ainda, considerar essencial o diálogo com outras religiões e com os não cristãos, os quais estariam "justificados por meio da graça de Deus", se forem "fiéis à sua consciência". Afinal, "o mesmo Espírito suscita por toda a parte diferentes formas de sabedoria prática, que ajudam a suportar as carências da vida e a viver com mais paz e harmonia".

O papa Francisco sublinhou a importância da relação entre cristãos e os crentes do islã, "hoje particularmente presentes em muitos países de tradição cristã, onde podem celebrar livremente o seu culto e viver integrados na sociedade". Em contrapartida, ele implorou "humildemente" aos países de tradição muçulmana que "assegurem a liberdade religiosa aos cristãos, para poderem celebrar o seu culto e viver a sua fé".

Enfatizando as semelhanças entre as duas manifestações de fé religiosa, ele lembrou que os muçulmanos "conservam parte dos ensinamentos cristãos", e que igualmente "adoram o Deus único e misericordioso", reconhecendo a necessidade de "lhe responder com um compromisso ético e com a misericórdia para com os mais pobres".

AV/dpa/lusa/ap/rtr

Leia mais