1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Papa Francisco celebra missa na Praça da Revolução em Havana

Pontífice não aborda diretamente situação política na ilha nem relações entre Cuba e EUA, mas alerta contra ambição pessoal e individualismo. Para ele, negociação de paz entre Bogotá e Farc não permite "mais fracassos".

O papa Francisco celebrou neste domingo (20/09) uma missa diante de dezenas de milhares de cubanos na Praça da Revolução em Havana, o coração político de Cuba. O pontífice argentino não abordou diretamente a situação política na ilha nem as relações entre o país e os EUA, mas afirmou que os cubanos devem servir às pessoas, ajudar os mais desfavorecidos e evitar as dinâmicas da exclusão.

O ato contou com a presença do mandatário cubano, Raúl Castro, e da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que viajou a Cuba especialmente para se reunir com o pontífice. Na missa, de pouco mais de 90 minutos, Francisco afirmou que o povo cubano tem "vocação de grandeza" e instou os cidadãos a demonstrá-la por meio do serviço aos mais frágeis da sociedade.

O pontífice defendeu a rejeição de qualquer ideologia no serviço dos demais e alertou para os perigos do poder e da ideologia quando os outros são excluídos. "O serviço nunca é ideológico, já que não serve a ideias, mas sim às pessoas", afirmou, acrescentando que "todos estão convidados a tomar conta uns dos outros por amor".

Kuba Havanna Papst Franziskus Menschen

Dezenas de milhares de cubanos foram à Praça da Revolução para assistir à missa de Francisco

Referência a Colômbia

Aproveitando o fato de que as negociações de paz entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) ocorrem em Havana, o pontífice afirmou que, após anos de sofrimento e milhares de vítimas, o país sul-americano não pode permitir "mais outro fracasso". Ele mostrou seu apoio a "todos os esforços que estão fazendo, incluindo nesta bela ilha, para uma reconciliação definitiva" entre os colombianos.

O cardeal Jaime Ortega, autoridade católica máxima em Cuba, agradeceu ao Papa por seu papel no diálogo entre Cuba e EUA e defendeu que o processo de renovação de relações entre os países traga a "sonhada" reconciliação entre todos os cubanos, de fora e de dentro da ilha, em uma referência mais notória à política atual.

"Só o amor e o perdão entre nós será um meio válido para uma verdadeira e pacífica renovação de nossa nação", declarou Ortega, que também é o arcebispo de Havana.

Francisco circulou entre os fiéis para cumprimentá-los a bordo de um papamóvel aberto e, como usual em suas missas, terminou sua mensagem pedindo aos presentes que "rezem por mim". O pontífice argentino viajará nesta terça-feira (22/09) de Havana a Washington, nos EUA, onde será recebido pelo presidente Barack Obama.

FC/efe/dpa/rtr

Leia mais