1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papa endurece penas contra pedofilia no Vaticano

Por meio de decreto, Francisco estabelece ainda punição mais severa a quem comete crimes financeiros e vaza informações confidenciais. Medidas são uma resposta aos últimos escândalos envolvendo a Santa Sé.

O papa Francisco anunciou nesta quinta-feira (11/07) uma reforma do Código Penal do Vaticano, introduzindo punições mais duras para quem cometer abusos contra crianças, crimes financeiros e vazar informações oficiais. A mudança no código, que passa a valer a partir de 1º de setembro, também prevê o fim de penas perpétuas.

A medida é uma resposta do Vaticano aos principais escândalos que abalaram a imagem da Igreja Católica nos últimos anos. Entre eles estão denúncias de pedofilia envolvendo padres, alegações de que o Banco do Vaticano estaria sendo usado para a transações financeiras ilegais e ainda o constrangimento do caso conhecido como Vatileaks, quando dados confidenciais internos vieram a público e revelaram severas disputas por poder nos bastidores da Santa Sé.

De acordo com as alterações, crimes de prostituição, abuso sexual e tráfico de crianças, assim como posse de material contendo pornografia infantil, passam a ter punição prevista de cinco a 12 anos de prisão. Até então, estes eram considerados apenas crimes contra "os bons costumes", puníveis com sentenças de três a dez anos.

Vatileaks Prozess

Paolo Gabriele, ex-mordomo do papa Bento 16, durante julgamento pelo caso VatiLeaks

Ao anunciar o Motu Proprio, decreto de sua própria iniciativa, o papa afirmou que pretende renovar o compromisso da Santa Sé com as convenções internacionais contra crimes como lavagem de dinheiro e terrorismo, assim como crimes contra o ser humano – homicídio, racismo, discriminação e tortura.

Já no caso de vazamento de informações consideradas de "interesses fundamentais" da Igreja, a pena pode chegar a oito anos. Com o fim da prisão perpétua, a pena máxima de detenção passa a ser de 35 anos no Vaticano.

As alterações serão aplicáveis não apenas aos funcionários da Cúria, órgão administrativo do Vaticano, mas também aos que prestam serviço diplomático no exterior e aos membros que trabalham em outras instituições ligadas à Santa Sé.

De acordo com o presidente do Tribunal do Vaticano, Giuseppe Dalla Torre, o sistema penal do menor Estado do mundo foi baseado no código italiano entre 1889 e 1913. Segundo ele, a reforma era necessária para adequá-lo aos crimes mais modernos.

Francisco, que sucedeu o papa Bento 16 em março, herdou uma Igreja tentando restabelecer sua credibilidade perante os fiéis após sucessivos escândalos. Entre outras medidas, o argentino constituiu um conselho consultivo de cardeais de todo o mundo para reformar a Cúria e abriu uma comissão especial investigativa para reformular o Banco do Vaticano.

MSB/dpa/rtr/afp

Leia mais