1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papa diz que renunciou pelo bem da Igreja

Bento 16 faz sua primeira aparição pública após anunciar renúncia e, diante de milhares de pessoas, volta a alegar saúde como motivo para saída. Segundo o Vaticano, escolha de substituto começa após 15 de março.

Diante de cerca de 10 mil fiéis no Vaticano, o papa Bento 16 fez nesta quarta-feira (13/02) sua primeira aparição pública após anunciar sua renúncia. Interrompido seguidas vezes por calorosos aplausos, declarou estar ciente da gravidade de sua decisão, mas disse que fez essa opção "em plena liberdade" e "pelo bem da Igreja".

A aparição é provavelmente uma das últimas de Bento 16, que deixará o posto oficialmente em 28 de fevereiro. A escolha de seu substituto, como confirmou nesta quarta-feira o Vaticano, começará na segunda quinzena de março, entre 15 e 20 dias após o fim de seu papado.

"Como vocês sabem, decidi renunciar ao ministério que o Senhor me confiou em 19 de abril de 2005. Tomei a decisão em plena liberdade, pelo bem da Igreja, após ter orado extensamente e após examinar minha consciência diante de Deus", disse o Pontífice, em palavras aparentemente improvisadas antes de iniciar sua audiência geral semanal.

Como no dia em que anunciou a renúncia, Bento 16 voltou a colocar sua saúde como um empecilho à sua permanência no posto. O Bispo de Roma se disse consciente de "não ser capaz" de ficar no cargo "com a força física e o espírito necessários".

Originalmente prevista para uma pequena Igreja de Roma, a Missa de Quarta-Feira de Cinzas foi transferida para a Basílica de São Pedro, de modo que mais pessoas pudessem assisti-la. A menos que o Vaticano mude a agenda, esta é a última missa pública de Joseph Ratzinger como Papa.

Bento 16 renunciará oficialmente ao pontificado no dia 28 de fevereiro, às 17h no horário de Roma (14h em Brasília). Depois, será levado de helicóptero até a residência papal de Castel Gandolfo, 30 quilômetros ao sul de Roma. O último chefe da Igreja Católica a renunciar havia sido Gregório 12, no século 15.

RPR/rtr/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais