1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papa condena "perseguição brutal" promovida pelo "Estado Islâmico"

Em tradicional mensagem de Natal, pontífice apela para o fim da violência contra minorias e crianças em regiões em crise no Oriente Médio e na Ásia. Ele também pede pela paz na África e Ucrânia.

Na tradicional mensagem de Natal Urbi et Orbi (à cidade e ao mundo), o papa Francisco apelou nesta quinta-feira (25/12) para o fim da "perseguição brutal" e dos massacres e captura de reféns do Oriente Médio à Nigéria, assim como da violência, tráfico e maus tratos sofridos por crianças.

Enfatizando as violências fundamentalistas no mundo, Francisco exigiu o fim da perseguição a grupos étnicos e religiosos no Iraque e na Síria e lamentou que "muitas pessoas sejam (feitas) reféns ou assassinadas" na Nigéria.

O papa lamentou, ainda, que "muitas crianças sejam vítimas de violência e do tráfico", fazendo referência às mais de 130 crianças mortas na semana passada numa escola em Peshawar, no Paquistão, no mais sangrento ataque terrorista da história do país.

"Mensagem de salvação"

Falando ao meio-dia (hora local) da varanda central da Basílica de São Pedro, no Vaticano, o pontífice de 78 anos se dirigiu à congregação católica em todo o mundo, assim como a dezenas de milhares de pessoas que se reuniram na Praça de São Pedro.

"O Natal deve trazer uma mensagem de salvação para um mundo marcado por conflitos e sofrimento", disse o papa Francisco, pedindo o fim da violência contra "um grande número de crianças".

"Que o poder de Cristo, que traz liberdade e serviço, seja sentido em tantos corações aflitos pela guerra, perseguição e escravidão, e tire a dureza do coração de tantos homens e mulheres imersos no mundanismo e na indiferença", acrescentou.

Em sua mensagem, o papa também lamentou o abuso de crianças e a prática do aborto. Ele pediu o fim dos conflitos em países africanos e apelou para o diálogo entre israelenses e palestinos.

Palavras duras contra o EI

Suas palavras mais duras, no entanto, foram reservadas à defesa das vítimas do "Estado Islâmico" (EI). "Peço a ele, o salvador do mundo, que olhe para nossos irmãos e irmãs no Iraque e na Síria, que por tanto tempo estão sofrendo os efeitos do conflito em curso, e que, juntamente com os que pertencem a outros grupos étnicos e religiosos, estão sofrendo uma perseguição brutal", afirmou.

O sumo pontífice agradeceu aos voluntários de todo o mundo que cuidam de pacientes com ebola na Libéria, Serra Leoa e Guiné. Ao mesmo tempo, apelou à comunidade internacional para que assegure os cuidados necessários aos doentes. Ele também comentou sobre os conflitos na Líbia, Sudão do Sul, República Centro-Africana e na República Democrática do Congo.

O papa se referiu, ainda, ao conflito na Ucrânia, afirmando que lá as tensões também têm que ser superadas, a fim de se encontrar um novo caminho de fraternidade e de reconciliação.

MD/lusa/rtr/afp/dpa

Leia mais