1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Papa condena exploração de trabalhadores

Em seu último dia no México, Francisco se reúne com empresários e sindicalistas em Ciudad Juárez, na fronteira com os EUA. Pontífice também visita presídio e lembra tragédia humana dos que são obrigados a emigrar.

default

Papa abraça detenta em visita a presídio

Em sua última parada em viagem de cinco dias ao México, o papa Francisco criticou nesta quarta-feira (17/02) o capitalismo e a exploração dos trabalhadores, em Ciudad Juárez, que faz fronteira com os Estados Unidos.

"O fluxo de capital não pode decidir o fluxo de pessoas", disse Francisco durante um encontro com empresários e sindicalistas. O pontífice denunciou a "exploração de trabalhadores como se fossem objetos para serem usados e descartados" e condenou a mentalidade que defende "o maior lucro possível imediato e a qualquer custo".

Ciudad Juárez é um importante centro industrial com muitas multinacionais que produzem bens para os Estados Unidos. A cidade é uma das mais violentas do mundo, devido ao tráfico de drogas, além de ser um ponto importante de passagem para mexicanos, latino-americanos e asiáticos que tentam chegar aos EUA ilegalmente.

O papa visitou ainda um presídio, onde há 3 mil detidos por tentarem cruzar a fronteira americana ilegalmente. A penitenciária da Ciudad Juárez já foi considerada uma das mais perigosas da América Latina e recebe também mulheres.

"O problema da insegurança não se resolve apenas pela detenção, mas constituiu um apelo à ação para enfrentar as causas estruturais e culturais da insegurança", disse Francisco aos presos. O pontífice criticou prisões que procuram evitar que pessoas cometam delitos em vez de promover a reabilitação.

Crise migratória

Ainda em Ciudad Juárez, o papa encerrou sua viagem ao México com uma missa, celebrada a apenas 80 metros da fronteira com os EUA. Durante a celebração, Francisco denunciou a tragédia humana daqueles que são obrigados a emigrar no mundo inteiro.

"Não podemos negar a crise humanitária que nos últimos anos causou a migração de milhares de pessoas", ressaltou o pontífice.

Em seus cinco dias no México, o papa visitou regiões marginalizadas, onde predominam a violência e a exclusão.

CN/rtr/lusa/dpa/efe

Leia mais