1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Papa aceita demissão do "bispo do luxo"

Vaticano acatou renúncia do bispo de Limburg, Franz-Peter Tebartz-van Elst. Alemão teria gasto 31 milhões de euros na reforma de sua casa, além de mentir sob juramento na Justiça, ao negar ter voado de primeira classe.

O Vaticano comunicou nesta quarta-feira (26/03) que aceitou a renúncia do bispo de Limburg, Franz-Peter Tebartz-van Elst. O religioso alemão ficou conhecido como "bispo do luxo", devido a gastos de pelo menos 31 milhões de euros em fundos da Igreja nas obras de reforma da casa episcopal.

Tebartz-van Elst havia sido afastado temporariamente do cargo em outubro pelo papa Francisco devido às investigações sobre o escândalo dos excessos de gastos para reformar a casa, que incluiria uma banheira orçada em 15 mil euros. Na época, o bispo já havia oferecido sua demissão.

O Vaticano afirmou que a situação na diocese de Limburg impossibilita que Tebartz-van Elst exerça seu ministério “de forma frutífera", informou que a investigação interna sobre o caso foi concluída e que Manfred Grothe, atual bispo auxiliar da cidade de Paderborn, foi nomeado para dirigir a diocese temporariamente, enquanto se procura outra função para Tebartz-van Elst.

Embaraço no Vaticano

O papa Francisco pediu, em comunicado, que os fiéis da diocese de Limburg aceitem a decisão "com docilidade" e que trabalhem para restaurar o que chamou de um "clima de caridade e reconciliação".

Assistir ao vídeo 01:34

Papa aceita renúncia do "bispo do luxo"

O escândalo envolvendo o bispo de Limburg causou embaraço para o Vaticano, num momento em que o papa exorta os líderes da Igreja em todo o mundo a serem mais austeros e a levarem uma vida mais simples, para estarem mais perto dos pobres.

O papa Francisco repetidamente pediu a bispos que não vivam como príncipes. Ele mesmo deu o exemplo, renunciando aos espaçosos apartamentos papais no Palácio Apostólico, preferindo a acomodação mais modesta da Casa de Santa Marta, um alojamento do Vaticano.

Confissão

O cardeal Reinhard Marx, presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha, saudou a decisão papal e disse que no futuro deverá haver mais transparência financeira na Igreja Católica alemã.

"É bom que o papa tenha tomado uma decisão que termina um período de incerteza para a diocese de Limburg e possibilita um novo começo", disse Marx.

Tebartz-van Elst, de 54 anos, vinha sendo duramente questionado por alguns padres pela forma considerada autoritária de liderar sua diocese e foi alvo de crítica da imprensa e de fiéis pelos custos milionários de renovação da sua residência episcopal.

Além disso, ele foi motivo de investigações pela promotoria pública de Hamburgo, que o acusou de perjúrio por mentir sob juramento sobre uma viagem de avião para visitar comunidades carentes na Índia, a qual teria feito na primeira classe. O processo foi arquivado mediante pagamento de uma multa de 20 mil euros. Segundo a procuradoria, o religioso reconheceu ter mentido.

MD/dpa/lusa/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados