Papa abre caminho para diálogo político na Venezuela | AMÉRICA LATINA | DW | 25.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Papa abre caminho para diálogo político na Venezuela

Após encontro entre Maduro e Francisco, Vaticano anuncia início das negociações entre governo e opositores, com mediação da Igreja, da Unasul e de outros líderes. Capriles acusa Caracas de tentar ganhar tempo.

Venezuela Präsident Nicolas Maduro (Picture-Alliance/dpa/Miraflores Palace)

Maduro durante a chegada ao Vaticano: encontro com papa foi privado

A Santa Sé anunciou para o próximo domingo (30/10) o início do diálogo entre a oposição e o governo Nicolás Maduro, em meio ao acirramento da crise política na Venezuela. O caminho para as negociações, ainda vistas com receio por líderes antichavistas, foi aberto pelo próprio papa Francisco, que recebeu o presidente venezuelano no Vaticano. 

As conversas serão realizadas na ilha caribenha de Margarita, sob mediação do Vaticano, da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e de três ex-chefes de Estado, cujos nomes ainda serão anunciados.

Negociações anteriores não tiveram sucesso. A oposição diz que Maduro é um autocrata que persegue rivais políticos e precisa deixar o poder para que a crise não aumente; o líder chavista, por sua vez, diz ser vítima de uma tentativa de golpe.

"Finalmente estamos começando o diálogo entre a oposição e o governo legítimo", declarou Maduro após o encontro com Francisco, que fez um apelo para que o presidente venezuelano alivie o sofrimento do povo durante a grave crise econômica.

O líder opositor Henrique Capriles acusou o governo de usar o encontro como uma manobra política. "Claro que vamos atender ao chamado da Igreja, mas na Venezuela não se iniciou nenhum diálogo", afirmou. "Estes diabos pretendem usar a boa fé do papa Francisco para ganhar tempo."

Capriles lamentou também que o comunicado enviado pelo papa não tenha lembrado da fome que sentem os mais necessitados, da falta de medicamentos, dos presos políticos e do "golpe de Estado", que significou a suspensão do referendo revogatório sobre o mandato de Maduro.

O início das negociações sobre a crise política na Venezuela foi confirmado pelo Vaticano. Segundo o mediador da Santa Sé, Emil Paul Tsherrig, o governo de Maduro e a aliança opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) assinaram um acordo para iniciar as reuniões.

"O objetivo do diálogo é a busca de acordos, a criação de um clima de confiança, a superação da discórdia e um mecanismo que garanta a convivência pacífica", destacou Tsherrig.

Encontro com o papa

Maduro foi recebido pelo papa nesta segunda-feira no Vaticano. A Santa Sé afirmou em comunicado que o encontro aconteceu "em meio à preocupante situação de crise política, social e econômica que o país está atravessando e que está tendo graves repercussões na vida cotidiana de toda a população".

O Vaticano destacou que Francisco se dispôs a ajudar a resolver o impasse político no país e pediu que "seja empreendido com coragem o caminho do diálogo sincero e construtivo para aliviar o sofrimento das pessoas, primeiramente dos pobres, e promover um clima de renovada coesão social que permita olhar com esperança ao futuro da nação".

O Vaticano, que desempenhou um papel fundamental no degelo das relações entre os governos de Estados Unidos e Cuba, quer contribuir para alcançar a paz na Venezuela.

O encontro desta segunda-feira foi a segunda tentativa de reunir o pontífice com o presidente venezuelano. Em junho de 2015, Maduro suspendeu uma visita ao Vaticano ao ser proibido de viajar em avião "por recomendação médica".

O líder, porém, cancelou a visita no mesmo dia que a oposição venezuelana começou uma vigília em várias cidades do país para pedir a Francisco que no encontro com Maduro intercedesse na crise venezuelana.

Problemas com vizinhos

Além da crise política interna, o governo venezuelano terá que enfrentar um processo que pode resultar na suspensão do país do Mercosul. O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, anunciou nesta segunda-feira, em Buenos Aires, ao lado do presidente argentino, Mauricio Macri, uma reunião do bloco para discutir a aplicação da cláusula democrática contra a Venezuela.

"O Uruguai vai estar presente nesta reunião, na qual vamos discutir com a seriedade e responsabilidade que pretendemos levar adiante no exercício de governo", disse Vázquez, sem informar a data e o local desse encontro.

A aplicação da cláusula democrática pode implicar na suspensão da Venezuela do bloco econômico e de benefícios ligados ao grupo, como a livre-circulação de pessoas e união alfandegária. A posição foi manifestada depois de o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) ter adiado, na sexta-feira, o processo para a realização do referendo para revogar o mandato de Maduro, pedido pela oposição.

A situação da Venezuela no Mercosul chegou a um impasse quando o país deveria assumir a presidência do bloco – algo que foi recusado por Argentina, Brasil e Paraguai.

Em meados de setembro, Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil determinaram que a Venezuela, aceita como membro-pleno do Mercosul em 2012, não poderia exercer a presidência temporária do bloco por ainda não ter ratificado todos os acordos necessários.

Argentina, Brasil e Paraguai decidiram – com a abstenção do Uruguai, o que permitiu consenso – que a Venezuela terá até o dia 1º de dezembro para cumprir os requisitos. Caso contrário, o país será suspenso por tempo indeterminado do bloco.

CN/efe/rtr/lusa/ap

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados