Pandemias de gripe já se registram há mais de 300 anos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pandemias de gripe já se registram há mais de 300 anos

A pandemia da chamada gripe suína é a primeira deste século. Pandemias de gripe, no entanto, já se detectam há mais de 300 anos. Em apenas um ano, a gripe espanhola provocou a morte de 20 a 50 milhões de pessoas em 1918.

default

Hospital de tratamento da gripe espanhola, em 1918, nos EUA

Após ter sido identificada pela primeira vez no México, em abril último, em pouco tempo a chamada gripe suína espalhou medo por todo o mundo. Na última quinta-feira (11/06), a Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o alerta pandêmico para o nível máximo (6), o que caracteriza a doença como pandemia global.

Ao todo, por volta de 27 mil pessoas foram contaminadas mundialmente pelo vírus A (H1N1). Também na Alemanha é crescente o número de casos. No momento, o número de contaminações registradas no país é superior a 100. "O mundo está na fase inicial da primeira pandemia de gripe do século 21", afirmou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.

A pandemia relativa à gripe suína é a primeira deste século, mas não a primeira da história. Durante o século 20 e em séculos anteriores, houve sempre pandemias semelhantes.

Pandemias de gripe

Em 1968, a gripe de Hong Kong espalhou medo e terror pelo mundo, e fez um milhão de vítimas fatais. Em 1957, chegaram a morrer dois milhões de pessoas – principalmente idosos e crianças – vítimas da gripe asiática.

Schweinegrippe in Japanischer Internationaler Schule in Düsseldorf

Dezenas de crianças foram infectadas com vírus da gripe suína em escola internacional de Düsseldorf

Já o caso da gripe espanhola foi bem particular. Não somente pelo grande número de mortes de pessoas jovens, mas também por ter provocado mais vítimas do que a peste medieval. O nome da gripe deveu-se ao fato de a mídia espanhola de ter sido a primeira a registrá-la.

O vírus, no entanto, surgiu nos Estados Unidos, onde em um campo de treinamento militar, em 1918, soldados foram infectados com o agente patogênico. Posteriormente, eles levaram o vírus para a França, de onde se espalhou para o resto da Europa e o mundo. O balanço foi triste. A gripe provocou, em apenas um ano, a morte de 20 a 50 milhões de pessoas.

Da mesma forma que nos dias atuais, o vírus de antigamente nasceu da mistura de vírus aviários, suínos e humanos. O sistema imunológico humano não reconhece o novo vírus. Por esse motivo, ele é perigoso não somente para idosos e enfermos, mas também para pessoas jovens e saudáveis.

Especialista prevê novas infecções

O diretor do Instituto de Doenças Infecciosas e Medicina Tropical da Universidade Ludwig Maximiliam de Munique, Thomas Löscher, explicou à Deutsche Welle que existiriam também outros motivos para o grande número de vítimas da gripe espanhola.

A gripe espanhola surgiu em um período onde parte do mundo estava em guerra e que, possivelmente, isso também contribuiu para o número elevado de mortes, já que muitos sofriam de fraqueza devido à desnutrição. Muitos especialistas são da opinião, explicou Löscher, que hoje o número de mortos não seria tão grande, pois naquela época, não havia medicamentos nem vacinas.

No caso do novo vírus proveniente do México, há indícios de que um tratamento é clinicamente eficaz, caso seja feito o quanto antes, já no primeiro dia da doença. Não existem, no entanto, dados confiáveis que evidenciem tal hipótese, explicou.

O especialista disse que medicamentos modernos podem, felizmente, evitar que o vírus da gripe suína provoque a morte de milhões de pessoas, como foi o caso da gripe espanhola. Löscher acredita, todavia, que muitas pessoas ainda serão infectadas pelo vírus A (H1N1).

Autor: Anne Kleinknecht
Revisão: Augusto Valente

Leia mais