1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Palestina festeja elevação de status nas Nações Unidas

Enquanto os palestinos ainda festejavam votação, EUA e Israel advertiam para novas ameaças contra processo de paz no Oriente Médio. Berlim diz que medida deve servir para acelerar retorno às negociações.

Em uma votação histórica, a Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) elevou, por grande maioria, o status da Palestina a Estado observador não membro. Nesta sexta-feira (30/11), enquanto os palestinos ainda festejavam a votação do dia anterior, Estados Unidos e Israel advertiam para novas ameaças contra o processo de paz no Oriente Médio. Comentários na mídia israelense denominaram a votação uma derrota diplomática para o Estado judeu.

Um total de 138 países votou a favor da medida, incluindo o Brasil, enquanto apenas nove votaram contra, incluindo EUA e Israel. Além da Alemanha, 40 outras nações se abstiveram. O presidente palestino, Mahmoud Abbas, falou de um "dia histórico". "Hoje demos um passo importante no caminho para a independência palestina", declarou.

Até então, a representação palestina na ONU tinha apenas papel de observador simples, comparável à de organizações internacionais. Agora, as Nações Unidas certificam aos palestinos formalmente o status de Estado. A Autoridade Nacional Palestina em Ramallah pode agora aderir a certas organizações das Nações Unidas e aos tratados internacionais, além de ter acesso a órgãos internacionais de justiça.

Celebração

Nos territórios palestinos, o novo status na ONU foi festejado freneticamente. Em Ramallah, na Cisjordânia, milhares de pessoas foram às ruas, deram salvas de tiros e se abraçaram. Em outras cidades da Cisjordânia também houve celebrações. Em Belém, fogos de artifício foram disparados, os sinos tocaram à meia-noite. Também houve festa na Faixa de Gaza, atualmente controlada pelo grupo radical islâmico Hamas. Integrantes do Hamas, que a princípio rejeita a política diplomática de Abbas, falaram de uma "nova vitória no caminho para libertar a Palestina".

GettyImages 157166719 Palestinian Authority President Mahmoud Abbas (C) gets a hug from Ahmet Davutoglu, Turkey's Foreign Minister, as the Palestinians celebrate after the United Nations General Assembly voted to approve a resolution to upgrade the status of the Palestinian Authority to a nonmember observer state November 29, 2012 at UN headquarters in New York. AFP PHOTO/Stan HONDA (Photo credit should read STAN HONDA/AFP/Getty Images)

Presidente Abbas: "dia histórico" para palestinos

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, classificou a votação como "infeliz e contraproducente". O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou Abbas de fazer um discurso "cheio de mentiras e propaganda". "A decisão das Nações Unidas não muda nada localmente", acrescentou. "Não haverá Estado palestino sem garantias para a segurança dos israelenses."

A votação também evidenciou uma profunda ruptura entre os europeus sobre a política para o Oriente Médio. Enquanto Reino Unido e Alemanha se abstiveram, países como França, Itália, Espanha e Suécia votaram pelo novo status dos palestinos. A República Tcheca votou contra.

Pressão pela paz

Cresce a pressão internacional sobre ambos os lados para que conversações de paz sejam retomadas. O ministro do Exterior da Alemanha, Guido Westerwelle, declarou nesta sexta-feira ser a favor de uma rápida retomada das negociações de paz. Ele afirmou que a elevação da condição da Palestina na ONU deve ser tomada como uma oportunidade para que ambos os lados voltem "o mais cedo possível" à mesa de negociações.

De acordo com a mídia israelense, Berlim não votou contra o pedido palestino, apesar da relação de lealdade especial dos alemães para com Israel, por ser contra a política de assentamentos israelenses na Cisjordânia. "Os israelenses não reagiram a nossos pedidos para dar um gesto de boa-vontade na questão dos assentamentos", citou o jornal israelense Haaretz um alto funcionário do governo alemão, que não quis se identificar.

MD/afp/rtr
Francis França

Leia mais