Paisagem islandesa começa a se recuperar após erupção vulcânica | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 08.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Paisagem islandesa começa a se recuperar após erupção vulcânica

Para a maioria dos europeus, erupção vulcânica na Islândia é uma má lembrança. Seus efeitos continuam a ser sentidos na ilha. Deutsche Welle visitou parque nacional cuja paisagem intocada de outrora está hoje devastada.

default

Primeiros sinais de recuperação se anunciam

Poucas pessoas fora da Islândia ouviram falar de Porsmork. O autor J.R.R. Tolkien usou aquela área isolada como base para algumas das locações de seu célebre O Senhor dos Anéis. Em abril último, aquela floresta virgem tornou-se cenário de um espetáculo próprio, com a erupção do vizinho vulcão Eyjafallajokull.

"Está totalmente diferente do que era na mesma época do ano passado. Não era para estar tudo cinza e sem cor (...); a região é conhecida por suas cores brilhantes", disse Arsaeli Hauksson enquanto dirigíamos por uma paisagem lunar deprimente.

Eu vim ver o vulcão que causou tanto caos e bloqueou o espaço aéreo europeu. Com Hauksson como guia, fui uma das primeiras pessoas a receber permissão para adentrar aquele ermo islandês de cinzas.

Deserto turístico

Porsmork, nosso destino, se situa dentro do Parque Nacional de Vatnajokull, que estava fechado desde o início da erupção. Normalmente, o parque é uma atração para amantes da natureza, e suas áreas de acampamento costumam estar lotadas nesta época do ano.

"Esta deveria ser a melhor temporada turística de verão de todos os tempos (...); isso era o que esperávamos, mas agora...". Hauksson deixou a sentença inacabada e apontou em direção à crescente nuvem de cinzas lá fora. Esta foi a primeira vez que retornou ao parque desde a erupção.

O pai de família de 27 anos toma conta de sua própria fazenda, localizada ao pé do vulcão. Ele também é membro da equipe islandesa de resgate e guia turístico. Hauksson viu o impacto do vulcão em sua comunidade, mas continua otimista; sua fala é interrompida por frequentes risos.

Cientistas da Universidade da Islândia estimam que cerca de 300 milhões de metros cúbicos de rochas e cinzas foram expelidos do Eyjafallajokull durante a erupção. O que não foi ejetado pela atmosfera através do continente europeu, depositou-se na região em torno da geleira, transformando-a em um mar de cinzas. Inevitável a comparação com a superfície lunar.

"É engraçado, porque a Nasa, de fato, enviou os primeiros astronautas à Islândia, a fim de prepará-los para pousar numa superfíciel parecida com a Lua", disse Hauksson.

Island Vulkan Panorama Asche Flash-Galerie

Parque nacional lembra paisagem lunar

Paisagem mutável

A erupção parece ter chegado ao fim, mas o problema das cinzas continua, pois ventos fortes deslocam imensas colunas da sufocante poeira, espalhando-as pela paisagem. Ao adentrarmos o parque nacional reaberto, passamos por um trator de esteira solitário que abria uma nova estrada entre os montes de cinza.

Nós nos dirigimos para o norte da geleira, onde se descarregou a fúria da erupção. Uma maciça torrente de água glacial descongelada corria montanha abaixo, arrastando tudo em seu caminho.

Como notou Hauksson, os rios mudaram de curso, e a enchente era tal que carregava rochedos do tamanho de um carro. Em muitos lugares, a camada de cinza no ar era tão espessa que tínhamos que parar e engatinhar, já que não podíamos ver mais nada.

"É estranho, conheço esta paisagem e ainda sei onde estou, mas ao mesmo tempo posso dizer que nunca estive antes nesta região, porque ela mudou completamente", afirmou o guia.

Ontem e hoje

Mas os habitantes do local sabem que a atividade vulcânica faz parte, simplesmente, da vida na Islândia. "Esta região foi atingida por enchentes durante séculos e esta área é toda vulcânica, foi sacudida por geleiras e erupções de outrora, e agora esta erupção", explicou Hauksson.

Island Asche Spielplatz Vulkan Eyjafjallajokull

Playground sob fuligem

O ar estava limpo o suficiente para descermos do carro. Duas mesas de piquenique de madeira surgiram em meio às cinzas. Atrás delas, via-se uma cratera rochosa que, antes da erupção, era um lago glacial.

Ao continuarmos dirigindo, passamos por uma área ensolarada, livre de vento e cinzas. Só ali pudemos fazer uma ideia do que aquela região costumava ser: matas, montanhas verdes e o céu azul como pano de fundo.

Recuperação já começou

São essas paisagens intocadas que costumam atrair os visitantes a esta região, uma área de acampamento na base do vulcão e nossa última parada. "As cinzas não tinham chegado aqui até poucos dias do fim da erupção, mas então o vento mudou de direção...", explicou Hauksson.

O playground pintado com cores fortes e as cabines do acampamento permanecem abandonados na fuligem negra, esperando por veranistas que não virão.

"Há quem queira vir aqui para ver o local, mas não para passar a noite. Portanto, nada vai ser como antes...", disse Hauksson

O guia disse ainda que a recuperação do terreno vai levar tempo, mas ele vai se regenerar. Pequenos brotos verdes emergem por toda a planície de cinzas, o primeiro sinal de que a recuperação está começando.

Autor: Jonathon Hall (ca)

Revisão: Simone Lopes

Leia mais