1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Pacote do BCE não deve afastar do caminho das reformas, diz Merkel

Chanceler federal alemã reitera que consolidação orçamentária é importante. Alemanha vê iniciativa do Banco Central Europeu com desconfiança, por temer que ela afaste países das reformas estruturais.

As iniciativas do Banco Central Europeu (BCE) para impedir a deflação e estimular a economia da zona do euro não devem desviar os países do caminho das reformas estruturais, declarou nesta quinta-feira (22/01) a chanceler federal alemã, Angela Merkel, durante discurso no Fórum Econômico Mundial de Davos.

O BCE anunciou nesta quinta-feira um pacote de estímulos à economia europeia, incluindo a compra de títulos da dívida pública, uma medida que a Alemanha vê com desconfiança por temer que ela estimule alguns países a deixar de lado o compromisso com reformas estruturais e consolidação orçamentária.

"Independentemente do que faça o BCE, os impulsos para o crescimento devem vir das condições fixadas pelos políticos", declarou Merkel.

A chanceler voltou a defender o seu já tradicional curso das reformas estruturais, com o objetivo de reduzir o endividamento público.

"Agora é a hora de consolidar os orçamentos, também por causa dos baixos juros das obrigações públicas. Quem não conseguir ajustar seu orçamento agora, desse eu não sei dizer o que vai acontecer quando os juros voltarem aos valores normais", afirmou.

Ela disse não se admirar que tenha havido "controversas discussões" internas no BCE sobre o programa de compra de títulos públicos. Segundo ela, já há crédito barato de sobra no mercado, o que estaria ofuscando as diferenças de competitividade entre os países europeus.

"Mas ninguém deve se surpreender se um dia elas se tornarem visíveis de novo", completou.

A chefe de governo alemã elogiou Itália e França por seus esforços em prol de reformas. As medidas adotadas pelos franceses são "muito, muito importantes", afirmou. Em relação à Grécia, onde vão acontecer eleições no domingo, Merkel disse que a maioria da população quer manter o euro:

"Para isso, são necessárias duas coisas: a disposição para solidariedade, que vamos continuar mostrando, acoplada à disposição para responsabilidade, que, eu tenho certeza, a Grécia vai continuar mostrando."

AS/dpa/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados