Pacote de proteção ao clima do governo alemão criticado como deficitário | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 19.06.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Pacote de proteção ao clima do governo alemão criticado como deficitário

Meta original de redução das emissões de CO2 dificilmente será atingida com o pacote de proteção ao clima do governo alemão. Essa é a opinião da oposição e das organizações ambientais. Conheça as novas medidas.

default

Aumenta pedágio para caminhões.

Na Alemanha, a oposição – liberal, esquerdista e verde – e as organizações ambientais criticaram como insuficiente e deficitário o segundo pacote de medidas de proteção ao clima acertado pelo gabinete de governo na quarta-feira (18/06).

O Greenpeace considera fracassada a meta governamental e lamenta que o "programa diluído" aprovado pelo gabinete possibilite no máximo 30% de redução das emissões de gás carbônico até 2020.

O conselho de peritos em assuntos ambientais do governo federal exigiu medidas mais rigorosas, a fim de que se atinja a meta inicial de reduzir 40% das emissões, em relação ao índice registrado em 1990. Os verdes se referiram a uma "proteção light ao clima" e a bancada esquerdista conta com uma redução de apenas 25% das emissões de CO2.

Após a aprovação parlamentar das quatro primeiras leis do Programa Integrado de Energia e Clima, o governo em Berlim anunciou a segunda parte do programa, que ainda deverá passar pelo crivo das duas câmaras do Parlamento.

As medidas seladas pelo gabinete são as seguintes:

Economia de energia

Passam a vigorar padrões mais rigorosos para poupar energia, tanto para o saneamento de edifícios antigos como para construções novas. De 2009 em diante, deverão ser economizados 30% de energia (medida em kilowatts/hora por metro quadrado). Isto vale para casas habitadas por uma só família ou para casas geminadas.

Pedágio para caminhões

O pedágio rodoviário para veículos pesados, acima de 12 toneladas, aumenta de 15 para 16,3 cents de euro por quilômetro, em média. Quem emitir mais poluentes deverá pagar mais. Transportadoras passam a pagar menos.

Redes de eletricidade

As redes de eletricidade do país serão ampliadas, a fim de transportarem uma cota mais alta de energias renováveis. Parte da rede deverá ser subterrânea.

O governo alemão protelou uma decisão sobre as seguintes medidas em debate:

Imposto sobre veículos

A coalizão de governo adiou para 2010 a mudança da base de cálculo do imposto sobre veículos, da capacidade cúbica para a quantidade de emissão de poluentes. Detalhes deverão ser esclarecidos antes desse prazo. A designação do consumo deverá corresponder à estipulada para toda a União Européia.

Redução de custos de calefação

O Ministério do Meio Ambiente quer conceder a inquilinos o direito de pagar menos pela calefação, caso o proprietário do imóvel não respeite os padrões prescritos para poupar energia. A meta é chegar a um consenso sobre essa questão até meados do segundo semestre de 2009.

Ampliação do uso de biocombustíveis

O Parlamento alemão está debatendo uma nova estratégia para bioenergia.

Redução das emissões de CO2 para veículos

Os parâmetros de redução das taxas de emissão de gás carbônico para a indústria automobilística estão sendo negociados em nível europeu.

( Confira no link abaixo as medidas anteriores do governo alemão para proteção do clima.)

Leia mais