1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pacifistas alemães em Florença

Cerca de 1500 alemães participaram do Fórum Social Europeu em Florença, entre eles o deputado pacifista Hans-Christian Ströbele, que defendeu maior cooperação entre os partidos políticos e os movimentos sociais.

default

Guerra contra o Iraque e temas sociais dominaram o Fórum Social Europeu

Durante o Fórum Social Europeu, em Florença, o deputado alemão Hans-Christian Ströbele, do Partido Verde, defendeu uma cooperação mais estreita dos partidos políticos com os críticos da globalização. Os grupos e ONGs, no entanto, não deveriam perder sua independência, nem permitir que os partidos os utilizem, advertiu o único deputado do partido ecologista alemão eleito diretamente em seu distrito graças ao grande número de votos que recebeu.

Da corrente pacifista dos Verdes, Ströbele tornou-se uma instância ética dentro de seu partido e na Alemanha em geral. Sua coerência, sua resistência a qualquer participação alemã em guerras e missões militares, seja no Kosovo ou no Afeganistão, levaram-no a opor-se à linha pragmática. Esta acabou prevalecendo desde que seu partido passou a integrar a coalizão de governo em Berlim, juntamente com o Partido Social Democrático do chanceler Gerhard Schröder.

Outra Europa é possível

"Sem a pressão das ruas os partidos não têm a força necessária para transformar a globalização numa globalização justa", disse o deputado de cabelos brancos, perante os 5000 participantes de um dos painéis do Fórum Social Europeu. Ele retomou a questão do papel que cabe a movimentos populares e partidos, que foi tematizada há décadas pela esquerda latino-americana e ainda continua atual.

O número de participantes do fórum em Veneza continuou aumentando no fim de semana. Ao todo, cerca de 40 mil freqüentaram os seminários, workshops e grandes assembléias, entre eles 1.500 alemães. "Uma outra Europa é possível " foi o lema das discussões, indicando que a globalização não deve ser aceita passivamente e que o antídoto ao individualismo do novo milênio é a solidariedade. O desemprego em massa, a exclusão de minorias e dos menos favorecidos foram abordados , bem como alternativas ao lado sombrio da nova economia global.

Movimentos ainda desunidos na União Européia

Se já existe uma União Européia, agora trata-se de unificar e integrar melhor os movimentos sociais. Christine Bucholz, da seção alemã do Network Attac: "Aqui em Florença foram feitos os preparativos para criar uma grande rede. Os movimentos pacifistas ainda não têm uma coordenação. Há diferentes movimentos, seja na Itália ou na Grã-Bretanha, enquanto na Alemanha a coordenação já funciona bastante bem. Mas também temos que encontrar uma forma de unir nossos objetivos. Por exemplo na resistência a privatizações".

Ela se referia à abertura do mercado no que se refere a "bens públicos" como água potável e energia. A Organização Mundial da Saúde pretende privatizar esses setores até 2005. Os críticos da globalização exigem que os governo europeus não se prestem a esse jogo, alegando que bens de utilidade pública não devem parar nas mãos da iniciativa privada.

Leia mais