Países estão modernizando arsenais nucleares, diz Sipri | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Países estão modernizando arsenais nucleares, diz Sipri

Instituto revela que, apesar de redução de arsenais, países não pretendem se livrar de armas nucleares. Estados Unidos e Rússia, que concentram 93% do poder bélico nuclear mundial, investem pesado em modernização.

Bomba termonuclear americana B-53

Bomba termonuclear americana B-53

Apesar de estarem reduzindo lentamente seus arsenais, as duas maiores potências nucleares, Estados Unidos e Rússia, estão investindo pesado na modernização desse tipo de armamento, afirmou nesta segunda-feira (13/06) o Instituto de Estudos da Paz em Estocolmo (Sipri).

De acordo com o relatório anual da instituição, em um ano Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França, Índia, China, Paquistão, Israel e Coreia do Norte reduziram seus arsenais nucleares de 15.850 para 15.395 ogivas.

"Os inventários de armamento nuclear global têm diminuído desde que atingiram o pico de quase 70 mil ogivas nucleares em meados da década de 1980. O declínio se deve, principalmente, aos cortes feitos pela Rússia e Estados Unidos", afirmaram os pesquisadores Shannon Kile e Hans Kristensen no relatório.

O instituto especializado em segurança global, controle bélico e desarmamento ressalta, porém, que os dois países estão modernizando extensivamente seus programas nucleares. A Rússia, com 7.290 ogivas, e os Estados Unidos, com 7.000, detêm 93% das armas nucleares existentes no mundo.

Futuro pessimista

O relatório mostrou ainda que países como China, Índia e Paquistão também investem ou pretendem investir na modernização de seus programas. "Nenhum país que possui armas nucleares está preparado para desistir do arsenal em um futuro próximo", ressalta.

O instituto afirma ainda que Índia e Paquistão, vizinhos rivais, estão aumentando seus arsenais. Nova Déli está reforçando seu programa de mísseis balísticos e acelerando a produção de plutônio, enquanto Islamabad desenvolve armas nucleares para campos de batalha. O relatório alerta que o Paquistão pode ampliar seu poder bélico nuclear significativamente na próxima década.

Israel, que não confirma, mas também não nega possuir armas nucleares, está testando mísseis balísticos de longa-distância para esse tipo de armamento, diz o relatório. O relatório também ressalta que não há evidências de que a Coreia do Norte possua armas nucleares, embora os pesquisadores estimem que o país possa ter dez ogivas.

Apesar da redução de arsenais, resultado de três tratados assinados desde 1991 e de reduções unilaterais das duas maiores potências nucleares, o Sipri afirma que "as perspectivas para um progresso genuíno de desarmamento nuclear permanecem pessimistas".

CN/afp/ap

Leia mais