1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Países do G4 criticam morosidade de reformas da ONU

Reunidos em Nova York, líderes da Alemanha, Brasil, Índia e Japão afirmam que um Conselho de Segurança mais representativo é "mais necessário do que nunca". Dilma reitera disposição do Brasil de receber refugiados.

default

Presidente Dilma Rousseff, premiês Angela Merkel, Narendra Modi e Shinzo Abe em cúpula do G4 em Nova York

Os líderes dos quatro países do G4 (Alemanha, Brasil, Índia e Japão), grupo que pleiteia uma reforma e um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, se reuniram neste sábado (26/09) em Nova York, à margem da Cúpula das Nações sobre Desenvolvimento Sustentável.

Segundo comunicado do Ministério das Relações Exteriores, a presidente brasileira, Dilma Rousseff, a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel e os primeiros-ministros da Índia e Japão, Narendra Modi e Shinzo Abe, acreditam que um Conselho de Segurança mais representativo, legítimo e eficaz "é mais necessário do que nunca" para lidar com conflitos e crises.

O Itamaraty disse ainda os líderes do G4 avaliaram, no entanto, que não houve progresso substantivo na reforma do Conselho desde a Cúpula Mundial de 2005, quando chefes de Estado apoiaram, por unanimidade, uma reforma urgente no Conselho de Segurança.

Segundo o documento, os líderes elogiaram o esforço durante a 69ª Assembleia Geral das Nações Unidas, no ano passado, para "mover o processo em direção a negociações baseadas em texto". Eles também se comprometeram a apoiar e cooperar com as negociações na 70ª Assembleia Geral, na segunda-feira.

Discurso de abertura

Dilma viajou na última quinta-feira para os Estados Unidos, para participar da Cúpula das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável e da 70ª Assembleia Geral da ONU. Neste sábado, em Nova York, a presidente reiterou a disposição do Brasil de receber refugiados.

"O Brasil é um país de refugiados, meu pai foi refugiado. Estamos abertos para todos que queiram trabalhar e viver com dignidade. Sem políticas xenófobas, restritivas", disse ela, após participar de reunião do G4.

Segundo o governo brasileiro, o discurso que a presidenta Dilma Rousseff fará na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), na segunda-feira, vai destacar a necessidade de uma reforma na instituição, especialmente num momento em que questões delicadas como a imigração em massa de refugiados sírios para a Europa se intensificam no cenário global.

CA/ots/abr

Leia mais