1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Países de maioria muçulmana condenam ataque a semanário francês

Egito, Arábia Saudita, Indonésia, Paquistão, Malásia e Turquia dão declarações de repúdio à violência e o terrorismo. "Nenhum ato de violência é justificável", afirma o governo indonésio.

O ataque à redação do semanário Charlie Hebdo, em Paris, que deixou 12 pessoas mortas, foi condenado por diversos governos e líderes religiosos em países de maioria muçulmana nesta quarta e quinta-feira (08/01).

O governo da Indonésia declarou que "nenhum ato de violência é justificável" e que apoia os esforços do governo francês para levar os autores do atentado à Justiça.

O governo do Paquistão divulgou que deplora o terrorismo em todas as suas formas e manifestações. Comunicado do Ministério do Exterior paquistanês ressalta que o governo está "confiante que a comunidade internacional vai continuar firme contra o terrorismo e levar os responsáveis por atos terroristas à Justiça".

Uma manifestação de repúdio partiu também do governo da Malásia, que condenou o uso da violência. Conforme nota oficial, o governo do país defende que se lute contra o extremismo com moderação, buscando o entendimento transcultural e o respeito. O governo malaio se disse unido "às famílias das vítimas, ao governo e ao povo francês. Nada justifica tirar a vida de inocentes".

O principal líder da oposição malaia, Anwar Ibrahim, também apelou a todos os líderes muçulmanos que condenem atos terroristas. "Temos que continuar a batalha não somente contra os responsáveis pela violência, mas também contra a intolerância racial e religiosa e o fanatismo", disse Anwar.

Nas Filipinas, um país de maioria católica que enfrenta uma insurgência da sua minoria mulçulmana, o governo condenou o ataque pelo "desrespeito gritante às vidas humanas e ao direito fundamental à expressão".

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ofereceu condolências aos "amigos e aliados" franceses e disse que o "terrorismo não tem religião ou nacionalidade e nada pode justificá-lo". Erdogan disse que é necessário "ter uma postura firme contra o discurso do ódio, a intolerância às diferenças e as tentativas de apresentar diferenças culturais e religiosas como motivos para a inimizade".

Repúdio no mundo árabe

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, chamou o ato de terrorista e disse que o governo e o povo egípcio condenam o ataque. "O terrorismo é um fenômeno internacional e deve ser encarado e eliminado por meio de esforços internacionais", afirmou.

Um dos centros sunitas de ensino do islã de maior prestígio no Cairo, a Universidade Al-Azhar, chamou o ataque de criminoso e afirmou que o "islã denuncia qualquer violência", de acordo com a agência estatal egípcia de notícias Mena. A mesma agência também divulgou que a Liga Árabe condena o ataque.

O governo da Arábia Saudita afirmou que o "reino condena fortemente e denuncia esse ataque terrorista covarde, incompatível com o islã".

A Organização para a Cooperação Islâmica – baseada na Arábia Saudita, que representa 57 nações de maioria muçulmana – também rejeitou a iniciativa terrorista. Conforme comunicado,a violência e o radicalismo são os "maiores inimigos do islã" e vão contra todos os seus valores e princípios fundamentais.

Várias organizações muçulmanas na França também repudiaram o ato terrorista. O presidente da União das Mesquitas Francesas, Mohammed Moussaoui, chamou o ataque de "ato odioso" e convocou muçulmanos e cristãos a "intensificarem suas ações para fortalecer o diálogo e montar uma frente unida contra o extremismo".

O Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM) divulgou que se tratou de "um ato bárbaro, de extrema gravidade, que também representa um ataque à democracia e à liberdade de imprensa". Um comunicado da União Francesa das Organizações Islâmicas (Uoif), vinculada à Irmandade Muçulmana, disse que condena de forma firme o "ataque criminoso e os assassinatos terríveis".

Apoio ao ataque

Um representante da Al Qaeda no Iêmen, que falou com a agência Associated Press, disse que a rede não reivindica o ataque, mas que pode ter servido de inspiração para ele.

O site Voice of al-Islam publicou que "todos aqueles que insultaram o profesta Maomé tiveram o que merecem." Num comentário online, o site se refere ao editor do semanário, declarando que "aquele integrante da mídia que odiou o islã e insultou o profeta Maomé foi morto com outros 11 por um grupo de simpatizantes do Isis".

Os jornalistas do Charlie Hebdo decidiram publicar a próxima edição da maneira como ela estava planejada. Conforme um dos integrantes da equipe, Patrick Pelloux, a publicação estampará que "a estupidez não vencerá."

MP/ap/dpa/afp