Países da UE levam adiante mudanças nas regras para aposentadorias | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Países da UE levam adiante mudanças nas regras para aposentadorias

Os protestos na França não vão mudar esta realidade: os europeus vivem cada vez mais e só conseguirão impedir a falência dos seus sistemas previdenciários se aceitarem trabalhar por mais tempo.

default

Franceses não concordam com nova idade mínima de 62 anos

Com paralisações e passeatas em diversas cidades da França, os sindicatos do país protestaram nesta quinta-feira (24/06) contra os planos de reforma do sistema de aposentadoria, recentemente apresentados pelo presidente Nicolas Sarkozy.

Os organizadores disseram que 2 milhões de pessoas demonstraram sua insatisfação com a proposta do governo, que pretende elevar progressivamente, até 2018, de 60 para 62 anos a idade mínima para a aposentadoria e retirar privilégios de várias categorias de trabalhadores.

A empresa ferroviária estatal SNCF divulgou que 40% dos seus funcionários aderiram à paralisação. Apenas a metade dos trens de alta velocidade e 25% dos trens regionais circularam. Em Paris e outras 65 cidades, o transporte público ficou praticamente paralisado. As paralisações também atingiram escolas, jardins-de-infância e órgãos públicos.

As mudanças na França

Com a reforma, Sarkozy quer evitar um colapso do sistema previdenciário estatal e melhorar as contas públicas francesas. As atuais regras para a aposentadoria, introduzidas pelo governo do socialista François Mitterrand em 1983, não são compatíveis com os atuais tempos de déficit orçamentário e endividamento, argumenta o governo.

Frankreich Proteste Streik Renten Gewerkschaft

Milhares se reuniram para protestar em Marselha

Sem a reforma, o rombo no sistema previdenciário francês chegará a 100 bilhões de euros até 2050, calcula o governo. Para cada aposentado, há hoje 1,8 contribuinte – em 1975 havia o dobro. A expectativa média de vida dos franceses alcança 77,8 anos, chegando a 84,5 anos para as mulheres.

Até 2018, a idade mínima para a aposentadoria na França deverá subir para 62 anos, progressivamente, ou seja, quatro meses a mais por ano a partir de 2011. Hoje ela é de 60 anos, ainda que, na prática, a idade média com que os franceses se aposentam seja de 58,7 anos, a menor em toda a União Europeia e também a menor da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Pelas regras atuais, o trabalhador tem direito à aposentadoria integral caso tenha contribuído durante ao menos 40 anos ou se aposente após os 65 anos. O governo quer aumentar o tempo mínimo de contribuição para 41 anos até 2012 e para 41,5 anos até 2020.

A situação em outros países europeus

Mesmo com as mudanças, os franceses ainda estarão numa situação melhor do que outros trabalhadores europeus. Na Espanha, na Alemanha e na Suécia, por exemplo, a idade necessária para se aposentar é de 65 anos, tanto para homens como para mulheres. Mas nos três países há planos para elevar a idade mínima para 67 anos.

No caso da Espanha, que enfrenta dificuldades orçamentárias por causa da crise econômica mundial, o projeto de aumento ainda necessita da aprovação do Parlamento. Direito à pensão integral têm aqueles que contribuíram no mínimo por 35 anos.

Na Alemanha, a idade para aposentadoria aumentará progressivamente a partir de 2012, até chegar aos 67 anos em 2029. Quem trabalhou no mínimo 45 anos poderá se aposentar com 65 anos, recebendo a pensão integral.

No Reino Unido a idade mínima é de 65 anos para os homens e 60 para as mulheres, desde que tenham nascido depois de 1951. Até 2020, a o limite será estendido para 65 anos no caso das mulheres. O tempo mínimo de contribuição é de 39 anos para as mulheres e de 44 anos para os homens.

Grécia também prepara mudanças

Além da França, a reforma do sistema previdenciário é um tema polêmico também na altamente endividada Grécia, onde o valor das aposentadorias representa 12% do Produto Interno Bruto (PIB). Ainda esta semana o governo pretende apresentar um projeto com profundas alterações no sistema vigente.

Na Grécia, a idade mínima para a aposentadoria é de 65 anos para os homens e de 60 anos para as mulheres. Porém, quem contribuiu durante 37 anos para o sistema previdenciário, pode se aposentar já com 58 anos.

O FMI (Fundo Monetário Internacional) e a União Europeia condicionaram seu bilionário pacote de ajuda a profundas reformas no sistema previdenciário grego. O plano prevê que a idade mínima de aposentadoria para as mulheres seja equiparada à dos homens, ou seja, suba para 65 anos. A pensão integral só poderá ser requerida após um mínimo de 40 anos de contribuição.

AS/dpa/rtr/afp

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais