Pílula anticoncepcional completa 50 anos no mercado | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Pílula anticoncepcional completa 50 anos no mercado

Ela foi decisiva para revolução sexual da década de 60 e, por mais que a Igreja Católica condene seu uso até hoje, permanece o método contraceptivo preferido e adotado por cerca de 100 milhões de mulheres no mundo todo.

default

A pílula anticoncepcional completa 50 anos no mercado

Ela mudou a vida das mulheres e da sociedade como um todo: a pílula anticoncepcional. Há 50 anos, em 9 de maio de 1960, ela foi aprovada para comercialização nos Estados Unidos e, em 18 de agosto do mesmo ano, chegou ao mercado norte-americano. Desde então, é considerada uma "arma milagrosa" para o planejamento familiar.

E a pequena pílula teve consequências signifcantes. Nos países industrializados, casou uma baixa na taxa de natalidade, enquanto, nos países em desenvolvimento, tentou-se usá-la justamente para o controle da alta taxa de natalidade.

Nela estão contidos os hormônios estrogênio e progestágeno, que, em diferentes composições e dosagens, simulam a gravidez no corpo da mulher. A pílula atua direto no cérebro, freando a distribuição do hormônio liberador da gonadotrofina e impedindo a maturação dos folículos ovarianos. Sem ovulação, não há gravidez, de modo que mulheres que tomam a pílula regularmente estão quase 100% protegidas.

Desenvolvimento

Erfinder Anti-Baby Pille Carl Djerassi

Carl Djerassi (foto), Gregory Pincus e John Rock testaram pílula numa região pobre de Porto Rico

O desenvolvimento da pílula hormonal se deve a duas senhoras com mais de 70 anos de idade: a milionária americana Katherine McCormick e a enfermeira Margaret Sanger encomendaram a pesquisa aos farmacólogos americanos Gregory Pincus e John Rock, e a Carl Djerassi, nascido em Viena. Eles então desenvolveram esse primeiro método de prevenção hormonal, testando-o de maneira questionável numa região pobre de Porto Rico.

Na época, a pílula era tida como uma descoberta revolucionária, capaz de mudar o mundo. O sexo sem medo de engravidar se tornaria possível. Para muitas mulheres, tratava-se de algo libertador.

Em 1961, a empresa berlinense Schering colocou no mercado a primeira pílula anticoncepcional da Europa. Nos anos que se seguiram, a taxa de natalidade nos países industrializados caiu drasticamente.

No início, a pílula era receitada pelos médicos apenas como um paliativo contra as dores provocadas pela menstruação. Porém, o efeito anticonceptivo estava impresso na bula do produto como efeito colateral. Afinal, no início dos anos 60, a sexualidade ainda era considerada tabu na sociedade alemã.

Trajetória triunfal

Symbolbild Pille Kostenlos für Hartz IV Empfänger

No mundo todo cerca de 100 milhões de mulheres tomam pílula anticoncepcional

A trajetória triunfal da pílula não parou por aí. Ela foi decisiva para a revolução sexual de meados dos anos 60. A Igreja Católica, por sua vez, também reagiu frente aos efeitos do medicamento.

Na encíclica Humanae vitae, o papa Paulo 6 definiu como pecado o controle da natalidade através do uso da pílula. E essa é até hoje a opinião do Vaticano. Com o passar dos anos, o movimento feminista passou a criticar a pílula. Afinal, seus efeitos de longo prazo para o organismo não eram muito conhecidos e quem corria os riscos eram apenas as mulheres.

Mesmo hoje, o uso da pílula não é considerado completamente inofensivo do ponto de vista médico. Estudos apontam a ocorrência de possíveis efeitos colaterais, como trombose e embolia, por mais que a dosagem hormonal tenha sido aperfeiçoada diversas vezes.

Em todo o mundo, cerca de 100 milhões de mulheres tomam pílulas anticoncepcionais. Na Alemanha, elas são o método anticoncepcional mais utilizado, mesmo depois de 50 anos.

Autora: Gudrun Heise (la)
Revisão: Rodrigo Rimon

Áudios e vídeos relacionados