1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Pênalti em Robben domina comentários na imprensa europeia

Falta do defensor mexicano sobre o atacante holandês existiu, mas este exagerou ao cair na área de forma "teatral", escreve a imprensa europeia.

A vitória de virada da Holanda sobre o México por 2 a 1 e o pênalti sofrido pelo holandês Arjen Robben nos acréscimos do segundo tempo estão entre os assuntos mais comentados pelos jornais europeus nesta segunda-feira (30/06).

O jornal britânico The Guardian destaca já no título a declaração do treinador mexicano, Miguel Herrera, de que o pênalti foi inventado. "Espero que o comitê de arbitragem analise a decisão e que ele também vá para casa, assim como a gente", cita o jornal.

Herrera responsabiliza o juiz português Pedro Proença pela eliminação do México e questiona o fato de um árbitro europeu ter sido responsável por um jogo envolvendo um time do continente.

O portal alemão Spiegel Online escreve que, "de fato, Portugal está na Europa tanto quanto a Holanda", mas fora isso há pouca "substância" na crítica de Herrera. "Afinal, antes disso o árbitro havia negado dois pênaltis a Robben, um deles injustamente." Além disso, a decisão de dar o pênalti nos acréscimos foi "justificável", pois o atacante do Bayern de Munique, apesar de ter "decolado de forma espetacular", de fato sofreu falta de Márquez, argumenta o portal.

O jornal alemão Sueddeutsche Zeitung falou da solidariedade de Robben ao escolher o colega Klaas-Jan Huntelar para cobrar o pênalti. Robben, afirma o diário, é um "individualista excepcional que desenvolveu competências sociais", e logo o jogador poderá "falar diante da Organização das Nações Unidas" sobre "responsabilidade coletiva".

Segundo a publicação, o holandês já havia mudado seu comportamente na temporada passada, no Bayern de Munique, mas isso "nunca ficou tão visível" como nos acréscimos da partida contra o México. "Robben não cobrou. Ele passou a bola a um colega – voluntariamente."

Entretanto, ainda há espaço para o Robben "trapaceiro", escreve o jornal. No quarto dos seis minutos dos acréscimos, Robben chutou a bola para frente de Márquez, que colocou o pé diante do holandês. "Robben não precisava ter caído, muitos menos dessa maneira teatral tão própria. Mas ele não pode ser acusado de ter caído de propósito", escreve o jornal, para quem Robben "valorizou" a falta sofrida. Após a partida, o próprio Robben disse ter sido "esperto" no lance, mas reconheceu que se jogou ao chão no primeiro tempo. "Foi estúpido. Peço desculpas."

Para o jornal espanhol El País, o gol sofrido no final do jogo pelo México, que até então vencia a partida por 1 a 0, "derrubou o andaime dos latino-americanos". E a situação piorou "quando Robben deu um salto de trampolim ao sentir o obstáculo de um pé de Márquez".

Segundo o El País, a partida estava nas mãos do México, "com mais intensidade e melhor formação", mas "os mexicanos se sentiram ganhadores antes do tempo e acabaram outra vez sem consolo por culpa desse futebol tão desalmado em algumas ocasiões".

Leia mais