1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Otan suspende cooperação com Rússia

Em encontro em Bruxelas, Aliança Atlântica estuda medidas para obrigar Moscou a um recuo em relação à Ucrânia e proteger demais países do Leste Europeu. Rússia eleva preços do gás, aumentando pressão sobre ucranianos.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) suspendeu a cooperação civil e militar com a Rússia, em represália às ações do país na Ucrânia, sobretudo a recente anexação da península da Crimeia. A decisão foi anunciada durante o encontro de ministros do Exterior da aliança em Bruxelas, nesta terça-feira (01/04).

Por outro lado, a Otan disse que pretende intensificar o diálogo político com Moscou, no nível de embaixadores. As relações com a Rússia deverão ser reestudadas durante a próxima conferência dos ministros, em junho.

Segundo informou uma porta-voz, a Aliança Atlântica se prepara, paralelamente, para o estacionamento e reforço dos "meios militares" em seus países-membros do Leste Europeu. Os militares da Otan também receberam o mandato de "verificar" seus planos de manobras, e a tropa de reação rápida Nato Response Force poderá ser colocada em alerta, acrescentou a mesma fonte.

A suspensão da cooperação com Moscou é o primeiro resultado do encontro ministerial de dois dias em torno da crise no Leste Europeu. Espera-se também que sejam estabelecidas medidas mais rigorosas de segurança, a fim de proteger Polônia, Romênia e Países Bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia).

No encontro em Bruxelas, o representante da Polônia reivindicou a mobilização de tropas da Otan em direção ao leste da Europa, numa proposta rejeitada pelo secretário-geral da aliança, Anders Fogh Rasmussen.

Retirada russa desmentida

Na abertura do encontro, Rasmussen questionou a alegação, feita pelo Ministério russo da Defesa na véspera, de que Moscou retirara das fronteiras ucranianas um batalhão com cerca de 500 homens.

Treffen der Nato-Außenminister 01.04.2014

Anders Fogh Rasmussen fala a ministros reunidos em Bruxelas

"Isso não é o que nós vimos. E esse acúmulo militar maciço não pode, de forma alguma, contribuir para a distensão, como todos nós queremos. Por isso, eu continuo instando a Rússia a retirar seus soldados, cumprir sua obrigação internacional e entabular um diálogo construtivo com a Ucrânia", declarou o chefe da Otan aos repórteres reunidos na capital belga.

Sob a condição de anonimato, uma autoridade militar da aliança que reúne 28 nações revelou à agência de notícias AP a presença de 35 mil a 40 mil militares russos nas cercanias da fronteira com a Ucrânia, equipados com tanques e outros veículos blindados, assim como com aeronaves e helicópteros. A fonte da Otan descreveu o contingente como "uma força de combate completa", altamente ameaçadora para a Ucrânia.

Moscou aumenta pressão

Nesta terça-feira, com base numa resolução do Parlamento em Moscou, a empresa Gazprom anunciou um aumento de mais de 40% no preço do gás natural fornecido à Ucrânia. Isso implicará um acréscimo de 50% no preço aos consumidores ucranianos, a partir de maio. A empresa estatal russa também ameaçou exigir a devolução de descontos bilionários acertados com o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovitch, deposto em fevereiro.

O Parlamento russo decidiu, ainda, pela anulação dos acordos com a Ucrânia relativos ao arrendamento da base da frota nacional da Rússia no Mar Negro pelo equivalente a 71 milhões de euros, até 2042. A localização da base, a península da Crimeia, tornou-se território russo a partir de um referendo, no início de março.

Apesar da presença militar russa nas fronteiras ucranianas e da anexação da Crimeia, condenada internacionalmente, o presidente Vladimir Putin e outras autoridades russas seguem assegurando não haver qualquer intenção de invadir outras regiões do país vizinho.

AV/ap/dpa/rtr

Leia mais