Otan reforça vigilância no Mediterrâneo e UE endurece sanções à Líbia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Otan reforça vigilância no Mediterrâneo e UE endurece sanções à Líbia

Cúpula da União Europeia nesta sexta-feira deve solicitar renúncia imediata de Muammar Kadafi. Presidente francês sugere bombardeio contra alvos na Líbia, mas secretário-geral da Otan defende fim dos conflitos armados.

default

Secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, quer o cessar-fogo

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, anunciou que a Organização do Tratado do Atlântico Norte planeja deslocar mais fragatas e submarinos para o Mediterrâneo em resposta à crise na Líbia. Os ministros da Defesa dos países que integram a organização se encontraram nesta quinta-feira (10/03) em Bruxelas e discutiram também a zona de exclusão aérea na Líbia.

Rasmussen disse que o envio de embarcações aumenta o potencial de observação na região, ajudando a esclarecer como a Líbia estaria infringindo o embargo de armas imposto pela ONU. O secretário-geral acrescentou que a ideia de impor sobre a região uma "zona de exclusão aérea" precisa ser mais bem planejada. Ele coloca o apoio dos países da região como condição à proibição de voos no espaço aéreo líbio.

Rasmussen sublinhou que seria necessário também um mandato claro das Nações Unidas para a adoção da medida. "Os ministros concordaram que é necessário um planejamento mais detalhado. Eu também não posso imaginar que a comunidade internacional vá assistir tão passivamente, caso Kadafi continue a atacar sistematicamente o próprio povo. O que nós visamos é um cessar-fogo", afirmou Rasmussen.

Deutschland Außenminister Guido Westerwelle zu Sanktionen gegen Libyen Pressekonferenz in Berlin

Ministro alemão Guido Westerwelle diz que regime de Kadafi chegou ao fim

Sarkozy sugere "bombardeio cirúrgico"

Segundo Rasmussen, os navios também facilitariam a entrada de ajuda humanitária na região. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, levantou a ideia de bombardear alguns alvos na Líbia durante um encontro do seu partido, UMP, em Paris. Porém, uma intervenção militar foi descartada tanto no encontro da Otan quanto na reunião dos ministros do Exterior dos países da União Europeia, que também ocorreu nesta quinta-feira em Bruxelas.

Os representantes do bloco europeu decidiram impor novas sanções à Líbia, como o congelamento dos ativos de cinco instituições financeiras daquele país. "Não queremos nos envolver em uma guerra no norte da África. Precisamos decidir de forma inteligente e cuidadosa para não termos o efeito contrário ao que queremos, que é paz e liberdade", sinalizou o ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle.

Nicolas Sarkozy Treffen der G-20-Staaten Frankreich

Presidente francês, Nicolas Sarkozy, quer bombardeio 'cirúrgico'

A esquadra da Otan terá a participação de especialistas em destruição de minas que serão empregados na região central do Mediterrâneo. "A minha impressão é de que não é realmente um aumento do número de embarcações, mas é muito mais um reposicionamento das que já estão na região", declarou o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates.

Itália quer vigiar onda de refugiados

O ministro francês do Exterior, Alain Juppé, disse que a Europa precisa estar preparada para se engajar em todas as áreas de ajuda humanitária. A Itália quer sugerir que os navios da Otan e da União Europeia não só se preocupem em barrar a entrada de armas na Líbia, mas também vigiem uma nova onda de refugiados.

O encontro dos chefes de Estado e de governo da União Europeia nesta sexta-feira deve definir a posição comum de exigir a imediata renúncia de Muammar Kadafi da chefia de governo. "Um homem que coloca seu próprio povo em uma guerra civil está no fim. Ele precisa sair", opina Westerwelle.

Libyen Unruhen Öl Ölpreis Seif al-Islam

Filho de Kadafi, Seif al-Islam, diz que não vai se render

A França se tornou o primeiro país a formalizar, nesta quinta-feira, o reconhecimento do Conselho Nacional dos rebeldes líbios como representante legítimo do país. Também o Reino Unido considera o conselho um "interlocutor válido". "Se eles querem apoiar milícias, que o façam. Porém eu digo (...) nós iremos vencer", disse o filho de Kadafi, Seif al-Islam, destacando para a mídia britânica que franceses ou europeus em geral deveriam falar com o "povo da Líbia".

MP/rtr/dpa/afp/lusa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais