1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

OTAN quer selar fim da Guerra Fria com a Rússia

Os 19 países que integram a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) se pronunciaram a favor de uma conferência de cúpula especial com a Rússia, para fechar um acordo sobre uma nova parceria estratégica.

default

George Robertson: novo acordo de parceria com a Rússia significaria o fim da Guerra Fria.

A aliança militar, com supremacia incontestável dos Estados Unidos, se dispõe a realizar a conferência de cúpula no dia 28 de maio, em Roma. A condição para isso é que os 19 ministros de Relações Exteriores cheguem a um acordo equivalente com Moscou, no seu encontro em Reykiavik, em meados do próximo mês, anunciou um porta-voz nesta quinta-feira, no quartel-general, em Bruxelas.

Em visita a Atenas, o secretário-geral da OTAN, o britânico George Robertson, destacou que a assinatura de um acordo sobre nova parceria com a Rússia significaria "o fim da Guerra Fria". Robertson destacou que o encontro de cúpula entre a OTAN e o país herdeiro do império soviético encerraria um novo capítulo nas relações estratégicas mundiais.

O dirigente da OTAN já discutiu a questão com o ministro russo de Relações Exteriores, Igor Ivanov, e disse a seguir que os dois lados estariam perto de um acordo sobre um novo conselho conjunto. Nesse grêmio os 19 países da OTAN e a Rússia querem decidir juntos sobre questões de segurança como o combate ao terrorismo, administração de crises, o problema de propagação de armas de destruição em massa e o controle de armas. Essa cooperação era inconcebível até o Natal de 1991, quando a União Soviética foi extinta e o bloco comunista desmoronou.

O novo conselho deverá substituir o atual Conselho Permanente OTAN-Rússia e ser presidido por George Robertson em suas conferências a ser realizadas pelo menos uma vez por mês.