1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Otan identifica atividade militar aérea "incomum" da Rússia

Em dois dias, quatro grupos de aviões militares russos sobrevoaram mares do Norte, Báltico e Negro, sendo interceptados por caças da Aliança Atlântica. Não houve violação de espaço aéreo.

default

Um caça F-16 da Noruega (e) acompanha um bombardeiro Tupolev-95 da Rússia, em foto não datada

A Otan afirmou nesta quarta-feira (29/10) ter detectado manobras aéreas "incomuns" e de "grande escala" de aviões militares da Rússia sobre o Mar do Norte/Oceano Atlântico, o Mar Báltico e o Mar Negro nestas terça e quarta-feiras. As aeronaves incluem bombardeiros, caças e aviões de reabastecimento.

Em comunicado, a Otan adiantou que "detectou e controlou quatro grupos de aviões militares russos realizando manobras militares significativas no espaço aéreo europeu" entre terça e quarta. Um porta-voz destacou que não houve violação do espaço aéreo dos países da Otan.

Aeronaves de três países da Aliança Atlântica decolaram de quatro locais para realizarem as missões de interceptação dos quatro grupos de aviões militares russos em manobras nos espaços aéreos dos mares Báltico, do Norte e Negro, segundo a Otan.

A mais importante operação mobilizou unidades de três países da Otan, após a detecção de um grupo de oito aviões russos – quatro bombardeiros Tupolev-95, que têm capacidade de carregar armas nucleares, e igual número de aeronaves de reabastecimento – voando em formação sobre o Mar do Norte, em espaço aéreo internacional.

Quatro caças F-16 da Força Aérea Norueguesa dirigiram-se ao encontro dos aparelhos russos para os identificar. Seis dos aviões russos alteraram a rota, retornando para a Rússia, mas dois bombardeiros Tupolev-95 não alteraram o percurso, levando caças Typhoon da Força Aérea Britânica a decolarem para os escoltar, até serem entregues à caças F-16 da Força Aérea Portuguesa, igualmente para escolta, no espaço aéreo internacional que é de responsabilidade dos portugueses.

Caças alemães também intervieram na terça-feira, para controlar um grupo de sete aviões de combate russos em manobras sobre o Mar Báltico. Outra operação foi conduzida pela Força Aérea da Turquia sobre o Mar Negro, para controlar um grupo de quatro aeronaves russas, incluindo dois bombardeiros Tupolev-95, disse a Otan.

Segundo a Otan, os aparelhos russos não tinham apresentado planos de voo, não estabeleceram qualquer contacto com as autoridades de aviação civil e não responderam às comunicações, o que "representa um risco potencial para os voos civis".

AS/lusa/afp/rtr

Leia mais