1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Otan deverá continuar com projeto de drones apesar de fiasco alemão

Alemanha cancela projeto de avião "tarde demais" – críticos atacam custo de 500 milhões de euros. Ministro da Defesa, Thomas de Maizière, está sob pressão. Otan diz que ainda quer comprar drones de reconhecimento.

O ministro alemão da Defesa, Thomas de Maizière, prometeu nesta quarta-feira (05/06) que vai fazer uma reforma "profunda" na própria pasta, admitindo problemas que levaram ao caro fiasco de um projeto de aviões não tripulados, o Euro Hawk.

A menos de quatro meses das eleições legislativas da Alemanha, de Maizière, considerado um peso pesado no governo e fiel escudeiro da chanceler alemã Angela Merkel, excluiu pedir demissão – apesar da pressão que sofre. No país, as especulações relacionaram, nas últimas semanas, a possível saída do ministro com um eventual enfraquecimento político de Merkel.

Em meados de maio, o governo em Berlim renunciou ao uso de aviões não tripulados de reconhecimento por causa de um problema de certificação. O cancelamento do projeto, visto como atrasado demais, levou a duras críticas a Thomas de Maizière, que defendeu a decisão, dizendo diante de jornalistas em Berlim que esta foi tomada "apenas após a avaliação e a eliminação de todas as alternativas". O ministro da Defesa alemão apresentou um relatório sobre o assunto diante das comissões parlamentares da Defesa e do Orçamento, nesta quarta.

O empreendimento foi suspenso após Berlim ter gasto mais de 500 milhões de euros no projeto. Entre as causas da anulação está a ausência de um sistema anticolisão exigido pelas autoridades europeias, cuja instalação iria requerer mais de 500 milhões de euros.

Sem consequências para projeto similar da Otan

Na terça-feira (04/06), de Maizière esteve em Bruxelas para participar de reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e falar dos possíveis efeitos da decisão alemã de suspender o Euro Hawk. O ministro alemão da Defesa disse que o cancelamento do avião não tripulado na Alemanha não ficaria totalmente sem consequências para o sistema de vigilância terrestre da Aliança Atlântica, conhecido como AGS (Allied Ground Surveillance). Mas de Maizière disse que a Alemanha continuaria participando do projeto.

Porém, o fracasso do projeto alemão aparentemente não teve efeito sobre a iniciativa similar da Otan. A Aliança planeja munir o AGS com cinco aviões não tripulados do tipo Global Hawk 40 – um plano que, segundo a organização, não foi afetado pelo fiasco do Euro Hawk, uma versão remodelada do antecessor do 40, o Global Hawk 20.

Thomas de Maiziere 22. Mai

Ministro Thomas de Maizière: críticas por fiasco de projeto

Na cúpula em Chicago, em maio de 2012, os integrantes da Otan haviam decidido adquirir drones desarmados de observação e reconhecimento, que deverão começar a operar em 2017 e ficarão estacionados em Sigonella, na Sicília.

O custo estimado para as cinco aeronaves é de um bilhão de euros. A iniciativa tem a participação de 14 países da Otan: Alemanha, Bulgária, Dinamarca, Estônia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, República Checa e Estados Unidos. Os Global Hawk podem voar a até 20 quilômetros de altura e, mesmo dessa distância, produzir imagens tão precisas que possibilitam o rastreamento de indivíduos isolados.

Unilateralismo alemão

Esse projeto prossegue normalmente, apesar da decisão de Berlim – que, por outro lado, é vista com olhos críticos em Bruxelas. Michael Gahler, o porta-voz para questões de segurança da bancada democrata-cristã do Parlamento Europeu, reclama, em entrevista à DW, que a Alemanha deveria ter promovido o desenvolvimento de drones dentro de um contexto europeu, em vez de optar pelo unilateralismo nacional. "Afinal, a ameaça é a mesma para todos, e cada Estado isolado dispõe de muito pouco dinheiro", justifica. "Esses projetos são bons exemplos de que devemos fazer algo juntos, especialmente quando algo novo é criado. Espero que tenhamos aprendido a lição."

Gahler considera um desenvolvimento de drones no âmbito europeu uma política industrial acertada. "Não devemos reduzir a questão ao contexto militar. Esses drones não são prioritariamente instrumentos de combate, pois são empregados como equipamentos de observação em 90% dos casos", ressalta, citando áreas como agricultura e silvicultura, onde incêndios podem ser reconhecidos com antecedência, ou para se detectar poluição da atmosfera. "Com tamanhas possibilidades, realmente vale a pena a unirmos nossos recursos civis e militares."

Fabricante nega acusações

Michael Gahler EU Beobachtermission Wahlen in Pakistan 13.05.2013

Gahler prefere que projetos de drone sejam fruto de parceria europeia

Enquanto isso, o fabricante norte-americano nega as queixas alemãs sobre as deficiências do drone encomendado por Berlim. As reclamações se referem, sobretudo, à alegada falta de proteção contra colisão e falta de documentos necessários para a aprovação na Europa.

Um porta-voz da Northrop Grumman disse, em entrevista ao semanário Die Zeit, que a Alemanha nunca disse claramente quais documentos seriam necessários para a aprovação. Além disso, ele alega que apenas um modelo de teste entregue a Berlim não dispunha de proteção contra colisão e acrescenta que esse recurso era previsto nos outros quatro drones originalmente encomendados. O grupo diz desconhecer razões para grandes aumentos de custos.

Leia mais