Otan decide retomar relações com Moscou, suspensas há sete meses | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Otan decide retomar relações com Moscou, suspensas há sete meses

Desde agosto último, as relações entre a aliança transatlântica e a Rússia estavam suspensas devido à guerra na Geórgia. Decisão unânime, apesar de ressalvas. França considera retornar à Otan como membro pleno.

default

Jaap de Hoop Scheffer (e) e presidente russo, Dimitri Medvedev

Quase sete meses após o conflito no Cáucaso, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decidiu reatar oficialmente as relações com a Rússia. Segundo o secretário-geral da aliança transatlântica, Jaap de Hoop Scheffer, o primeiro encontro em nível ministerial deverá se dar "o mais breve possível, após a cúpula da Otan", marcada para 3 e 4 de abril.

A cooperação com Moscou fora suspensa em agosto de 2008, devido à guerra na Geórgia. Durante o encontro informal dos ministros do Exterior da Otan nesta quinta-feira (05/03), em Bruxelas, De Hoop Scheffer ressaltou os interesses comuns entre sua organização e Moscou: o Afeganistão, a luta contra o terrorismo e a não-disseminação de armas atômicas.

Erro da Otan?

Assim como o secretário-geral, o ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, tampouco considera a crise militar com a Rússia diplomaticamente superada. "Isto não pode nos fazer cair no mutismo", observou, "temos que encontrar meios de reavivar o Conselho Otan-Rússia". Porém ressalvou: "Tivemos um 2008 difícil devido ao conflito no Cáucaso. Os efeitos desse conflito ainda se fazem sentir".

Seu homólogo lituano, Vygaudas Usackas, foi ainda mais cauteloso: "Minha avaliação no momento é que seria ainda um pouco cedo para iniciar o diálogo oficial". Em sua opinião, "deveríamos fazer um inventário honesto para saber se foram feitos suficientes progressos, se quisermos que a Rússia leve nossas palavras a sério." Apesar das ressalvas do país báltico, a decisão pró-Rússia na Otan foi unânime.

Um porta-voz do Ministério do Exterior em Moscou saudou a decisão como "uma vitória do bom senso". Ele classificou como um erro a decisão da Otan de suspender os contatos em agosto último, "quando eles eram mais necessários".

Conselho Otan-Rússia

Participando de um encontro da Otan pela primeira vez, a chefe da diplomacia norte-americana, Hillary Clinton, disse estar na hora de avançar nas relações com Moscou e de adotar uma nova postura de "realismo".

"Enquanto alguns consideram o Conselho Otan-Rússia uma recompensa ou concessão aos russos, ele deveria ser visto antes como um mecanismo de diálogo sobre questões em que não estamos de acordo, e como uma plataforma de cooperação para questões de interesse comum", disse a secretária de Estado.

Os ministros de Relações Exteriores da Estônia, Luxemburgo e Reino Unido igualmente se pronunciaram a favor de uma retomada do Conselho Otan-Rússia. Criado em 2002, o fórum prevê encontros regulares tanto em nível diplomático quanto do alto comando militar e dos ministérios do Exterior e da Defesa.

Terroristas no Afeganistão

Hillary Clinton nach Entschuldigung

Hillary Clinton estreou na Otan

A secretária norte-americana de Estado propôs ainda uma conferência internacional sobre a futura estratégia na guerra do Afeganistão, que já dura sete anos. Ela já discutira essa ideia com os ministros afegão e paquistanês, na semana passada em Washington.

Clinton exortou os membros da Otan a reforçarem seu engajamento militar naquele país asiático. No contexto da missão da Isaf, 26 países da aliança transatlântica e 15 outros aliados mantêm 56 mil soldados na região, dos quais 3,7 mil são alemães. Os EUA já se decidiram quanto ao envio de mais 17 mil soldados para o Afeganistão, entre outros motivos, para garantir a segurança no país durante as eleições presidenciais de agosto próximo.

Segundo Clinton, a fronteira afegã-paquistanesa seria o quartel-general dos terroristas responsáveis tanto pelos atentados de 11 de setembro de 2001 contra Nova York e Washington, como os contra Madri e Londres. Também o assassinato da ex-premiê do Paquistão Benazir Bhutto e o ataque em Bombaim seriam obra desses militantes. "Eles estão planejando atentados desse tipo agora mesmo", assegurou a seus colegas de pasta em Bruxelas.

Nesta sexta-feira, Hillary Clinton deverá visitar a Comissão Europeia pela primeira vez na qualidade de secretária de Estado.

Franceses de volta

Em breve a França poderá voltar a ser membro pleno da Otan. O ministro francês da Defesa, Hervé Morin, enfatizou na última terça-feira que, após 43 anos, um retorno às estruturas militares da aliança transatlântica não afetará a autonomia de seu país. O passo poderá ser dado já no início de abril, por ocasião dos 60 anos de fundação da organização.

E, no entanto, os franceses foram membros fundadores da Otan em 1949, e até mesmo abrigaram seu quartel-general. Porém a dominância estadunidense incomodou o presidente Charles de Gaulle desde o início. Quando a França se tornou potência nuclear, ele se recusou a deixar o poder de decisão sobre suas armas atômicas nas mãos de outros, e em 1966 abandonou a estrutura militar.

O quartel-general da Otan foi transferido para a capital belga. Com isso, Paris perdeu sensivelmente influência na organização, fato que De Gaulle e seus sucessores aceitaram em troca da autonomia sobre seu arsenal nuclear.

Porém, no mínimo a partir década de 1990, uma outra linha começou a se impor em Paris, desde que o fim da Guerra Fria trouxe uma situação totalmente nova, do ponto de vista estratégico. E desde 2001 o combate ao terrorismo colocou-se em primeiro plano. O presidente Nicolas Sarkozy pretende agora completar o processo de retorno.

AV/RW/dw/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais