Otan debate estratégias para o futuro | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Otan debate estratégias para o futuro

Países da Otan debatem missões no Afeganistão e definem entrada de novos membros europeus na aliança militar.

default

Montanhas que dividem a Grécia da Macedônia: divergências a respeito do nome

Na reunião dos 26 ministros do Exterior dos países que pertencem à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em Bruxelas, os principais assuntos foram a possível entrada de países dos Bálcãs e do Leste Europeu na aliança militar. A reunião, porém, não terminou com qualquer decisão clara a este respeito. A palavra final virá somente no início de abril, quando os ministros se reúnem mais uma vez em Bucareste.

Antes do encontro, já estava claro que a Otan não chegaria, nesse momento, a uma conclusão a respeito do ingresso de novos países. Embora a Croácia, a Albânia e a Macedônia estejam, do ponto de vista político e militar, aptas a entrar para a Otan, o debate entre a Grécia (atual membro da aliança militar) e a Macedônia tornam a situação complicada.

"Gostaria que todos os três países passassem a fazer parte da Otan. Se não houver um acordo em relação ao nome Macedônia, então o assunto estará encerrado", afirmou o ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier.

Nomenclatura

A questão gira em torno da nomenclatura: a Grécia reivindica uma redenominação da Macedônia, uma vez que a província grega localizada ao norte do país também se chama Macedônia. Trata-se, no caso, de ressentimentos históricos e símbolos nacionais relembrados por Atenas.

Até o próximo encontro de cúpula da Otan, em início de abril, o debate terá que estar encerrado. Caso contrário, a Macedônia não será nem convidada para se candidatar ao ingresso na aliança militar. Para o secretário-geral Jaap de Hoop Scheffer, a futura entrada de outros países balcânicos, como Bósnia-Herzegóvina, Montenegro e Sérvia, também é certa: "A integração euro-atlântica da região é a única receita para garantir a paz e a estabilidade na região".

Divergências

Já em relação ao ingresso de países como a Ucrânia e a Geórgia, há opiniões divergentes. Entre outros, a Alemanha acredita que estes dois países ainda passam por um período de instabilidade política, o que retardaria a entrada na aliança. "Não escondo que vejo a situação comum certo ceticismo", disse o ministro alemão Steinmeier.

Durante o encontro em Bruxelas, a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, repetiu sua crítica à Alemanha e a outros países da Otan, que não disponibilizam tropas de combate para missões no sul do Afeganistão. Segundo Rice, não é possível se voltar apenas para a reconstrução civil no país, mas também vencer militarmente a milícia talibã.

O governo alemão, por sua vez, continua insistindo em enviar soldados apenas às regiões relativamente calmas ao norte do país. A próxima cúpula da Otan em Bucareste, em abril próximo, contará com a presença do presidente afegão Hamid Karzai. Durante o encontro, serão debatidas estratégias político-militares para o país.

Leia mais