1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futurando!

Os temas apresentados no Futurando 38

Futurando especial do meio ambiente tratou do desperdício de alimentos: mostramos bons exemplos de reaproveitamento de comida e a diferença que espaços verdes fazem na vida de uma comunidade.

No dia 1 de junho, o Futurando dedicou a edição 38 ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 de junho. O tema deste ano foi o desperdício de alimentos. Criada em 1972 durante uma conferência da Organização das Nações Unidas, a data foi lembrada pela nossa equipe com uma visita a uma central de incineração de lixo e uma série de reportagens sobre o tema.

A primeira delas mostrou a história de uma mulher que resolveu vasculhar as lixeiras da Alemanha em busca de alimentos jogados fora em boas condições de consumo. É nos supermercados que a maior parte do desperdício acontece. Com um pouco de boa vontade, a ativista consegue sempre levar para casa pães, cereais e até iogurte.

Em outra reportagem, o programa discutiu a forma como fregueses confundem aparência com qualidade. Uma folha murcha, por exemplo, não significa necessariamente que uma fruta ou uma verdura estejam estragadas. Um “machucadinho” não costuma comprometer a polpa por completo, segundo especialistas entrevistados pela Deutsche Welle.

A apresentadora Nádia Pontes em gravação externa

A apresentadora Nádia Pontes em gravação externa

No mesmo foco, o Futurando foi atrás de números para provar a urgência de uma mudança de comportamento. No Brasil, todos os anos, cerca de 26 toneladas de comida vão parar no lixo. O país perde 35% dos produtos produzidos no campo. Se levarmos em conta o que é desperdiçado em toda a América Latina, o segundo maior continente do mundo, daria para matar a fome de 300 milhões de pessoas.

A carne e as florestas

Os brasileiros comem cada vez mais carne. A estimativa é de um consumo anual de 40 quilos por habitante. O problema é que a criação de gado provoca vários impactos ambientais. Por isso, o Futurando revelou uma pesquisa que tenta “enganar” o paladar com uma “carne vegetal", feita de ervilha e trigo.

A alternativa apresentada a partir desse estudo pode evitar a derrubada de árvores para áreas de pastagem, como o que aconteceu no Paraguai. O país reduziu sua cobertura vegetal para dar lugar à pecuária. E a expansão aumentou os níveis de CO2 na atmosfera.

Por falar em CO2, a árvore é justamente uma das melhores ferramentas de combate ao efeito estufa. Elas são capazes de absorver o gás carbônico, transformá-lo em oxigênio e ainda aliviar o clima das cidades. O Futurando encerrou a edição 38 mostrando o papel essencial das florestas urbanas na vida dos moradores.

Assistir ao vídeo 28:13

Futurando 38

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados