1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Os EUA são algo além de seu presidente"

Imprensa de língua alemã analisa vitória de Bush nas eleições norte-americanas. Os comentários ressaltam uma certa perplexidade da Europa frente a este "ato unilateral" dos cidadãos do outro lado do Atlântico.

default

«Velha Europa»: engolir seco e aceitar a situação

"A vitória de Bush confirma a velha experiência: nenhum presidente candidato à reeleição, em períodos durante os quais os EUA estiveram envolvidos em guerras, perdeu o pleito. E nenhum candidato que se posicionou contra a guerra venceu em algum momento. [..] O mundo e principalmente alguns países na 'velha' Europa terão que aceitar a situação. Parte-se do pressuposto de que farão isso sem grandes dificuldades."
Neue Zürcher Zeitung

"A parcimônia em relação às palavras é aconselhável, sabemos disso, mesmo assim, neste caso não há como evitar dizer: é uma catástrofe. Pois não apenas Bush foi confirmado no cargo, mas também os republicanos, indo contra todos os prognósticos, reafirmaram seu domínio no parlamento. [..] É quase irônico: os eleitores, ao escolher Bush, se decidiram por uma política unilateral própria. Esta eleição é um ato unilateral: todo o mundo tinha esperanças em uma vitória de John F. Kerry, mas os rednecks, os fãs da bíblia e os outros da W hite America não se deixaram influenciar por isso."
die tageszeitung

"Os EUA, desta vez a maioria real dos cidadãos votantes, confirmaram um presidente que, mesmo partindo de um ponto de vista moderado e conservador, forneceu todos os motivos para ser afastado do poder: uma guerra fundada na desinformação e terminada em caos; a violação do Direito Internacional; a substituição da cooperação pela oposição primitiva entre amigo x inimigo; medidas econômicas não sólidas aliadas a um escoramento social forçado. O catequismo de Bush prega: governar significa não reparar erros. Os americanos perderam a chance de colocar nesta postura o selo de erro e desvio que ela realmente é."
Frankfurter Rundschau

"No fim, a escolha de um governante não é feita pela cabeça, mas pela barriga, pelo sentimento. É melhor escolher um que acredita saber sempre a verdade, que simplesmente parece estar sempre seguro de tudo, do que outro que pensa em etapas, se atém a detalhes e fala de acordo com esta postura. Este segundo tipo de político é o predominante na Europa. Nele nós provavelmente votaríamos. O outro é representado por George W. Bush. Ficamos muito tempo sem entender isso. Não sentimos – pela distância geográfica que nos separa – o que nos EUA mais vale, o que conta nesse país de enormes dimensões: as lendas da independência, liberdade e sorte que estão ao alcance de cada um. Além disso, uma religiosidade crescente e o mito de uma fragilidade que é força ao mesmo tempo. Agora, então, mais quatro anos de Bush."
Der Tagesspiegel

"Surge a pergunta: por que os americanos reelegeram esse homem? Um presidente que não prendeu o líder terrorista Osama Bin Laden, tendo começado uma guerra no Iraque cujos motivos não se sabia mais quais eram. Um presidente que ridicularizou os EUA, quando o mundo foi testemunha de que no Iraque não foram encontradas armas de destruição em massa e nenhuma ligação com a organização terrorista Al Qaeda. Um presidente que é o responsável pelos escândalos de desrespeito aos direitos humanos em Guantánamo e Abu Ghraib e que levou os EUA à maior crise de sua imagem perante o mundo de todos os tempos. Por que então George Bush? A resposta tem três partes: as sensações de ameaça, o inimigo frágil e um país conservador."
Die Zeit

"Os espectadores para além das fronteiras norte-americanas torceram, em sua maioria, para o adversário. [..] Muitos ficaram decepcionados com a reeleição do republicano. Mas mesmo assim nem os governos na Europa nem em qualquer outro lugar que se opuseram a Bush devem se esconder para dar vazão a seu abatimento. O que até agora pairava como uma ameaça ('mais quatro anos'), parece ter se tornado realidade. O que exige uma definição de interesses políticos que se liberta de um 'anti-Bushismo' popular e de um antiamericanismo imprudente. O caminho que deve conduzir a um novo entendimento tem que ser trilhado através do diálogo."
Frankfurter Allgemeine Zeitung

"Os EUA se tornaram estranhos para muitos europeus. A eleição reforçou ainda mais esta impressão. Bush, indo contra muitas expectativas, não entrará para a história como um episódio curto. Ele representa a maioria de um país que converteu a divisão política em um conceito e a luta partidária em um esporte nacional. O mundo não deveria se contaminar com essa atmosfera efervescente. Os EUA são algo além de seu presidente."
Süddeutsche Zeitung

Leia mais