1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Os 30 anos de um outro 11 de setembro

A data fatídica já marcou um trágico acontecimento na América Latina: o golpe de Estado que acabou com a tentativa de um socialismo democrático no Chile a vida do presidente Allende.

default

Manifestação em Santiago recordou ascensão de Allende ao poder

No Chile, vários atos lembraram os 30 anos do golpe de Estado do general Augusto Pinochet contra o regime socialista de Salvador Allende, que fez 3 mil vítimas entre mortos e desaparecidos. Pinochet instaurou uma das ditaduras mais sangrentas na América Latina, que se estendeu por 17 anos.

Uma porta, pela qual fora transportado o corpo de Allende do Palácio La Moneda, foi reaberta, depois de estar cimentada desde 11 de setembro 1973. Nesse "dia de luto e dor", o presidente Ricardo Lagos conclamou os chilenos à unidade. Embora o país tenha retornado à democracia, muitos consideram que ainda não está concluído o "acerto de contas" com a história.

Não há reconciliação sem justiça

"Há uma tendência a se dizer que ditadura cometeu erros por um lado, e a esquerda - o governo da Unidade Popular - também, mas que agora basta, e é hora da reconciliação", resumiu a situação o escritor chileno Pedro Holz, que se encontra na Alemanha, apresentando seu livro "O pequeno mundo do Sr. Kaiser". Para Holz, que nasceu em Berlim e esteve exilado na Alemanha, o passado não pode ser esquecido enquanto os culpados pelas violações dos direitos humanos não forem punidos e não se fizer justiça.

Na Alemanha, que recebeu 1500 exilados do Chile, e onde houve um forte movimento de solidariedade nos anos 70, realizam-se vários atos políticos recordando o acontecimento, organizados pela Anistia Internacional e ONGs.

Imprensa alemã: CIA de fora

No mais, o 11 de setembro de 1973, é assunto para a imprensa alemã. O jornal Tageszeitung dedica um suplemento especial ao Chile. Em um dos artigos "Traição em Santiago", procura elucidar alguns "mitos" criados em relação ao golpe. Descreve o suicídio de Allende - que não foi assassinado pelos golpistas - e destaca, por exemplo, a forte resistência popular na fase final do seu governo, diante dos crescentes problemas de abastecimento. E chega a sugerindo que o fracasso do governo levou ao golpe, eximindo a CIA.

Salvador Allende

O presidente Salvador Allende discursa nas Nações Unidas em 4 de dezembro de 1972.

Depois de reconstruir a ida do presidente socialista a Moscou, pedir o auxílio negado por Breschnev, o diário escreve: "Às duas superpotências não tem nenhuma serventia o 'socialismo chileno em liberdade". O governo Nixon gostaria de derribar Allende através de pressões políticas e econômicas, mas o serviço secreto, a CIA, recebe a ordem expressa de não participar em planos de rebelião - como o demonstram documentos da CIA a serem publicados em breve." Como se não houvessem suficientes outros exemplos a demonstrar que o serviço secreto americano sempre encontra formas de realizar o que algum grupo no seu interior considera certo, independentemente de ordens oficiais.

No Chile, o rosto de Allende ressurge em algumas bandeiras do Partido Socialista, depois de 30 anos, uma revalorização ou estilização do mito. Em Paris, o ex-presidente chileno ganhou uma praça, neste 11 de setembro de 2003: a outrora "Place Santiago" recebeu seu nome, em cerimônia que contou com a presença do prefeito da cidade, Betrand Delanoe.