1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Orquestras alemãs: uma paisagem ameaçada

Embora ainda comparativamente privilegiada, a situação das orquestras na Alemanha é difícil. Cortes financeiros e de pessoal ameaçam sua sobrevivência. Mas há também boas notícias, como o selo "orchester.cd".

default

Simon Rattle, titular da Filarmônica de Berlim

A Alemanha continua dispondo de um panorama orquestral sem igual no mundo inteiro, apesar dos dramáticos cortes de pessoal e do aperto generalizado de cintos. Ela possui 149 grandes conjuntos musicais subvencionados, divididos entre 82 orquestras de ópera, 35 de concerto, sete de câmara, 14 orquestras de rádio, além de quatro big bands e sete coros de rádio.

Segundo a Associação Orquestral Alemã (DOV), o lugar de honra em termos de prestígio cabe indiscutivelmente à Filarmônica de Berlim, seguida por outras instituições de renome internacional, como a Staatskapelle Dresden e a Gewandhaus, de Leipzig. Esta última conta com o maior número de músicos: 185. No outro extremo da escala encontra-se a orquestra do Teatro de Lüneburg, com apenas 29 membros.

O monstro da racionalização

Mesmo sendo por vezes criticadas como "dinossauros pesadões" ou "mausoléus dos sons batidos ", as orquestras representam um número considerável de vagas de trabalho. Entretanto, nos últimos dez anos, estas sofreram uma redução de cerca de 15%. Atualmente 10.445 músicos encontram ocupação num dos conjuntos subvencionados. Das 1714 vagas sacrificadas, quase 1400 couberam aos estados da antiga Alemanha comunista e a Berlim Leste. Nessa região quase todos os conjuntos de grande porte foram afetados por fusões, reduções de contingente ou mesmo dissoluções.

Um outro fenômeno marcante é a privatização das orquestras: somente nos estados do leste, 27 foram privatizadas, desde 1990, a maioria sendo transformada em sociedades anônimas. Entretanto, segundo o diretor-gerente da DOV, Gerald Mertens, essa estratégia não serviu para enfrentar a elevação geral de custos. Por isso, a Filarmônica de Berlim optou por assumir o status de fundação, seguindo a iniciativa de seu maestro titular, o inglês Simon Rattle.

Luxo ou necessidade?

Em meio a tantas más notícias, a Associação Orquestral Alemã completou em 13 de maio 50 anos de existência. Durante a comemoração desse jubileu em Berlim, o presidente da Alemanha, Johannes Rau, chamou a atenção para a ameaça à cultura sinfônica do país. Ele lamentou o fato de que, na Alemanha, cultura não seja mais encarada como um dever, e sim como diversão. Mas os necessários cortes financeiros não podem "pôr em perigo a substância de uma tão variada cultura orquestral".

Segundo o chefe de Estado, a riqueza do panorama sinfônico do país é objeto de inveja em todo o mundo. As instituições, associações, fundações e empresas que incentivam a música "há muito reconheceram que cultura musical não pode tornar-se um luxo que cada vez menos pessoas se podem permitir". É preciso fomentar a música entre as crianças, insistiu Rau, pois não basta "administrar a criatividade que já existe".

Do ato festivo, fez parte o anúncio de um novo selo fonográfico para as orquestras alemãs. Com "orchester.cd", a recém-criada Fundação Strecker pretende oferecer uma plataforma de marketing e documentação aos grandes conjuntos instrumentais, em face a sua carência de recursos financeiros. Segundo Peter Hanser-Strecker, presidente da fundação, 90% das orquestras não têm possibilidade de lançar CDs. "orchester.cd" pretende preencher essa lacuna, garantindo aos intérpretes autonomia sobre o conteúdo, forma de gravação, programa e apresentação dos álbuns.

Leia mais