1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Organizações islâmicas condenam atos terroristas em Paris

Declaração conjunta de nove associações muçulmanas na Alemanha afirma que atentado "foi um ataque contra nós" e se solidariza com famílias das vítimas. "A sua dor é a nossa dor", afirmam.

Associações islâmicas na Alemanha condenaram os atentados terroristas de 13 de Novembro em Paris, que deixaram ao menos 129 mortos e mais de 350 feridos. "Estamos chocados e consternados", diz uma declaração conjunta de nove organizações, apresentada nesta segunda-feira (16/11) numa mesquita em Colônia.

"Foi um ataque contra nós. O terror está em total contradição com a misericórdia divina", afirma a nota. "Os assassinos de Paris estão errados se acreditam que estão realizando as vontades de Deus." Os islâmicos ainda se mostraram solidários às famílias das vítimas: "A sua dor é a nossa dor."

Na declaração, as associações alemãs fazem um apelo pela união da sociedade. Segundo elas, é importante aderir aos valores liberais e entender a diversidade como uma benção. Deve-se combater a opressão, a tirania e as guerras no Oriente Médio, na África e no resto do mundo, afirmam.

Zekeriya Altug, porta-voz do Conselho de Coordenação dos Muçulmanos (KRM, na sigla em alemão), pediu nesta segunda-feira que "o ódio, a discórdia e o medo não tenham permissão para entrar em nossos corações" e que todos se ergam juntos pelos valores democráticos.

"O terror também gera solidariedade, porque estamos nos aproximando uns dos outros, e nada pode nos separar", diz Altug, que também representa a União Turco-Islâmica para Assuntos Religiosos (Ditib).

Ele enfatiza que não há qualquer relação entre a crise migratória e os ataques em Paris. "Não há evidências de que existam vários membros do Estado Islâmico (EI) escondidos entre os refugiados", afirma o porta-voz.

Bekir Altas, secretário-geral da Comunidade Islâmica Millî Görüş, também acredita que todos devem se unir contra o terrorismo. "Nossa responsabilidade não acaba na porta da mesquita", afirma. "Precisamos alcançar os jovens fora das mesquitas, que geralmente são muito ativos na internet." Para isso, Altas pede o apoio das autoridades políticas e da sociedade.

Por sua vez, Abdullah Uwe Wagishauser, da Comunidade Islâmica Ahmadiyya, destacou a forte cooperação entre associações muçulmanas e as autoridades alemãs.

Segundo ele, há uma grande "diferença no clima" em comparação com outros países europeus, como a França e o Reino Unido. "Aqui não pode haver ódio nos sermões. O Verfassungsschutz [serviço de proteção à Constituição] ficaria sabendo imediatamente", diz Wagishauser.

EK/epd/kna

Leia mais