Organizações alemãs enviam socorro médico ao Peru | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 17.08.2007
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Organizações alemãs enviam socorro médico ao Peru

Depois do forte terremoto que abalou o Peru, comunidade internacional anuncia ajuda financeira. Organizações humanitárias alemãs enviam principalmente médicos, enfermeiros e medicamentos.

default

Chances de encontrar sobreviventes diminuem

Em reação ao terremoto de oito pontos na escala Richter, que sacudiu a costa central do Peru nesta quarta-feira (15/08), a comunidade internacional anunciou auxílio imediato à região assolada por uma das piores catástrofes naturais na história do país.

Além das Nações Unidas e da Cruz Vermelha Internacional, as áreas mais afetadas, como Pisco, Ica e Chincha, podem contar com o auxílio financeiro da União Européia, que garantiu uma quantia de, no mínimo, um milhão de euros, bem como da Itália e da Alemanha, que anunciaram a liberação de 200 mil euros cada.

O Ministério das Relações Exteriores em Berlim informou nesta quinta-feira (17/08) que os recursos deverão ser aplicados em programas humanitários empreendidos por organizações alemãs de assistência em atuação no país, em cooperação com parceiros locais e o governo peruano.

No entanto, tais organizações apelam para que sejam feitas doações para que se possa garantir o suprimento de cobertores, alojamentos, medicamentos e artigos de higiene pessoal.

Acesso à região é difícil

Na noite de quinta-feira (16/08), uma comissão da organização humanitária I.S.A.R. Germany (International Search and Rescue) viajou para a região de crise, onde estima-se que o total de mortos já tenha passado de 500. Entre os membros da comissão, formada por quatro especialistas, há um médico, dois assistentes de resgate e um especialista no gerenciamento de crises.

"Gostaríamos de poder enviar mais pessoas ao Peru, mas está difícil conseguir vôos, já que temos que levar muito material, se quisermos realmente ajudar", disse o assessor de imprensa Tim Poluzyn à DW-WORLD.DE.

A equipe já transportou duas caixas de medicamentos, entre estes analgésicos e antibióticos, e mais uma tonelada está a caminho. "Preferimos nos concentrar no fornecimento de remédios, já que as chances de encontrar sobreviventes serão poucas até chegarmos lá. Há realmente muito poucos vôos."

Outra organização alemã a caminho do Peru é a humedica, que reagiu imediatamente ao pedido de ajuda de autoridades locais e enviou um grupo formado principalmente por médicos e enfermeiros ao Peru.

Leia mais