1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Orgânicos do Brasil na conquista do mercado alemão

A partir desta quinta-feira, a cidade alemã de Nurembergue é a meca mundial dos produtos orgânicos. O Brasil está representado na Biofach por 21 produtores, com uma estratégia para conquistar o mercado alemão.

default

Ovos orgânicos alemães têm carimbo de procedência

O mercado dos produtos orgânicos está em expansão não apenas na Alemanha. Um sinal deste crescimento é o aumento de participantes na maior feira do ramo no mundo, a Biofach, que acontece em Nurembergue. Este ano, vieram 2003 expositores (em 2002 foram 1921), levando os organizadores a ampliar em 13% a área da feira, para 33,5 mil metros quadrados.

Os produtos orgânicos brasileiros são apresentados num estande organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, em conjunto com a Agência de Promoção das Exportações, o Instituto Biodinâmico, o Planeta Orgânico e o Sebrae.

Montada em forma de espiral, a área de 265 metros quadrados é ocupada por 21 produtores brasileiros. Além de especialidades típicas do país, como cachaça, guaraná, café, frutas, verduras e óleo de palma, estão sendo apresentados soja, arroz, mel e um cogumelo muito especial produzido em São Paulo.

Trata-se do cogumelo Agaricus Blazei Murill, conhecido popularmente como cogumelo piedade, em referência à cidade de onde é originário. Descoberto por um imigrante japonês no interior paulista há 30 anos, hoje é produzido também no Uruguai e no Japão. Embora seja usado normalmente na alimentação, lhe são atribuídas propriedades medicinais, principalmente no combate ao câncer.

Conquistar o mercado alemão

Num projeto que se estende até a Biofach do ano que vem, a Câmara Brasil-Alemanha objetiva aumentar a inserção de produtos brasileiros no mercado europeu, o maior consumidor mundial de produtos orgânicos.

Öko Prüfzeichen Logo

Selo concedido a produtores alemães reconhecidamente ecológicos

O projeto engloba, entre outras coisas, a organização de seminários, uma pesquisa de mercado, apoio logístico, encontros, visitas agendadas e rodadas de negócio para divulgar o produto orgânico brasileiro na Alemanha.

Grande variedade de produtos

Não só alimentos produzidos em harmonia com o meio ambiente estão sendo apresentados na Biofach 2003. A gama de produtos trazidos por 65 países varia de roupas a calçados, passando por cosméticos e acessórios. Tradicionalmente, Itália (com 310 expositores), Espanha (173) e França (135) são os países com o maior número de representantes.

A França, aliás, é o país de destaque na feira este ano, apresentando, como não poderia deixar de ser, vinhos de produção orgânica. Mas os franceses também trouxeram a Nurembergue hortifrutigranjeiros, óleos e azeites, queijos e chocolates.

O mercado de vinhos ecológicos vem crescendo rapidamente. Se nos anos 80 ainda era uma preocupação de alguns poucos ecologistas alemães e franceses, agora há milhares de vinicultores orgânicos espalhados pelo mundo. Entre os 214 produtores de vinho e achampanhados na Biofach deste ano estão também representantes da Argentina e do Chile.

Mercado em expansão no mundo

Ökobauer mit seinen Schweinen

Criação ecológica de suínos na Alemanha

O mercado de orgânicos no mundo obteve um faturamento de 26,7 bilhões de euros em 2001, um crescimento de 23% em relação ao ano anterior, segundo um estudo da empresa britânica de consultoria e marketing Organic Monitor. A Europa foi responsável por 46% deste faturamento e, a América do Norte, por 37%.

Em 2001, os europeus gastaram 13 bilhões de euros em produtos cultivados em harmonia com o meio ambiente (um aumento de 30% em relação a 2000). Os mais consumidos são os laticínios e as verduras.

Mais de 14 mil agricultores alemães trabalham, de forma ecológica, 632 mil hectares, o que representa 3,7% da área cultivada no país. Em termos de consumo, os 82 milhões de habitantes da Alemanha lideram o mercado europeu de orgânicos, com uma fatia de 26% (3 bilhões de euros). Mesmo assim, o consumo alemão per capita é menor que na Dinamarca, Suécia e Suíça.

Leia mais

Links externos