Ordenação de ″sacerdotisas″ acirra debate sobre papel da mulher na Igreja | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.07.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Ordenação de "sacerdotisas" acirra debate sobre papel da mulher na Igreja

Sete mulheres "ordenam-se" em cerimônia celebrada por "arcebispo" argentino, originando ira da Igreja oficial e manifestações de apoio de movimentos de base.

default

Gisela Forster, uma das "sacerdotisas", conversa com jornalistas

Uma cerimônia religiosa celebrada a bordo de um barco de passageiros no Rio Danúbio no sábado (29), no trecho entre Passau (sul da Alemanha) e Linz (Áustria), originou reações divergentes da Igreja Católica e de movimentos de base. Sete mulheres entre 40 e 70 anos foram "ordenadas" pelo argentino Romulo Braschi, que se auto-intitula arcebispo e não é reconhecido pela Igreja Católica.

O ato conta com a rejeição categórica da Igreja oficial, que vê nele "um teatro absurdo e o mais puro espetáculo sectário", segundo declaração divulgada em Munique. O Direito Canônico reserva a ordenação a homens batizados. Os bispos austríacos apressaram-se em declarar a ordenação "inválida", condenando o ato de um "pequeno grupo de mulheres" que, "contrariando a doutrina e a tradição da Igreja Católica" quiseram forçar o caminho para a ordenação.

Já o movimento de base alemão Nós Somos a Igreja vê a iniciativa com bons olhos, considerando-a "um sinal contra o sistema estático" da Igreja, ainda que considerando a cerimônia a bordo do barco questionável em alguns aspectos. "As mulheres fizeram bem, porque ficar calado não adianta nada", afirmou, nesta segunda-feira (01), um porta-voz do movimento. Representantes do catolicismo crítico na Áustria reivindicaram igualmente passos no sentido de uma "abertura da Igreja para as mulheres em todos os patamares".

As iniciadoras e o celebrante — Várias das mulheres que se ordenaram (quatro alemãs, duas austríacas e uma americana) são casadas e algumas portam o título de doutoras em Teologia. Para a alemã Gisela Forster, a exclusão das mulheres da ordenação atenta contra o espírito divino. Faz 40 anos que as mulheres estão argumentado perante a Igreja Católica e sempre ouviram um "não" em resposta, agora vão lutar "pelo reconhecimento desta ordenação", garante Forster. As "sacerdotisas" pretendem celebrar missa diariamente e administrar os sacramentos em círculos de pessoas que compartilhem de suas idéias.

Romulo Braschi, de 60 anos, pertence à igreja apostólica carismática Jesus Rei, que o Vaticano não reconhece. Ele distanciou-se da Igreja Católica na época da ditadura na Argentina, mas nunca chegou a ser excomungado. A crítica à sua decisão de ordenar as mulheres não o inquieta: "Vamos prosseguir firmes na nossa tarefa pastoral".

A igreja Jesus Rei, sediada em Munique, conta com 13 mil seguidores em todo o mundo.

Os fiéis — Muitos católicos acreditam que abrir a ordenação para as mulheres poderia solucionar o problema crônico da falta de sacerdotes que assola a Igreja Católica. Em pesquisa de opinião realizada na Alemanha, 71% dos católicos praticantes declararam-se favoráveis. E, em consulta feita pelo teólogo vienense Paul Zulehner entre 2500 padres na Alemanha, Áustria, Polônia, Croácia e Suíça, 58% afirmaram considerar a ordenação de mulheres como possível sob o ponto de vista teológico. (lk)

Leia mais