1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Opositores correm risco de vida na Venezuela, diz CIDH

Comissão Interamericana de Direitos Humanos entrou com pedido de medidas cautelares e de proteção para líder da oposição venezuelana, Leopoldo López, e Daniel Ceballos. Dissidentes estão presos há mais de um ano.

Festnahme Leopoldo Lopez

Leopoldo López, líder opositor venezuelano, foi preso em fevereiro de 2014

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) anunciou nesta segunda-feira (20/04) o pedido de medidas cautelares e de proteção em favor de opositores do governo na Venezuela. A CIDH considera que as vidas do líder da oposição, Leopoldo López, e do prefeito da cidade de San Cristóbal, Daniel Ceballos, correm perigo.

López e Ceballos estão presos há mais de um ano na penitenciária militar de Ramo Verde, na cidade de Los Teques. A CIDH explicou através de comunicado que Leopoldo López e Daniel Ceballos "se encontram numa situação de gravidade e urgência".

A entidade, baseada em Washington, é parte da Organização dos Estados Americanos (OEA) e pode requerer tais medidas com o objetivo de evitar o que classifica como "danos permanentes" a pessoas.

A CIDH solicitou à Venezuela que adote as medidas necessárias para preservar a vida e a integridade pessoal de Leopoldo López e Daniel Ceballos, e que "assegure que as condições de detenção deles respeitem padrões internacionais".

Já em agosto de 2014, a entidade recebeu um pedido de medidas cautelares para quatro líderes da oposição, apresentada pela ONG Observatório Venezuelano de Prisões.

Esta é a quarta medida cautelar expedida pela CIDH nos últimos dois meses para proteger cidadãos do país. Em março, a entidade outorgou medidas de proteção a quatro ativistas dos direitos humanos e dois estudantes presos.

O líder opositor venezuelano Leopoldo López completou um ano na prisão em fevereiro. Fundador do partido Vontade Popular, ele é acusado de ser o mentor intelectual da violência de 12 de fevereiro, quando uma manifestação pacífica contra o governo Nicolás Maduro terminou com atos de vandalismo contra a sede do Ministério Público, a queima de carros da polícia e a morte de dois manifestantes.

Já Ceballos foi detido em 19 de março de 2014, acusado de delito de "rebelião pública e conspiração".

MD/afp/dpa

Leia mais