1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Opositor questiona investigação sobre morte de Nemtsov

Ativista da oposição diz que tese defendida por investigadores, de que assassinato do ex-vice-premiê teria motivação religiosa, visa apenas tirar foco de Putin. Radical checheno teria confessado crime.

Nemzow

O checheno Zaur Dadayev teria confessado crime à Justiça russa

Um ativista opositor e amigo de Boris Nemtsov, ex-vice-primeiro-ministro assassinado em Moscou, questionou nesta segunda-feira (09/03) a teoria, defendida por investigadores, de que o

crime foi cometido

por radicais muçulmanos chechenos.

No domingo, autoridades russas anunciaram o indiciamento de Zaur Dadayev e Anzor Gubashev, detidos na véspera. Os dois estão entre cinco suspeitos, todos de etnia chechena, levados a um corte de Moscou e expostos para equipes de TV em jaulas de metal.

A linha de investigação defendida até aqui é de que Nemtsov, uma das principais vozes de oposição ao Kremlin, teria sido morto por demonstrar solidariedade às vítimas do semanário satírico Charlie Hebdo. Após os atentados de Paris, em janeiro, a Chechênia, região de maioria muçulmana no Cáucaso, realizou um grande protesto contra as sátiras da publicação francesa.

"Nossos piores medos estão se tornando reais. Quem puxou o gatilho será culpado, enquanto os que ordenaram a morte de Nemtsov sairão impunes", questionou o opositor Ilya Yashin pelo Twitter. "A tese sem sentido de motivações islâmicas na morte de Nemtsov se encaixam muito bem para o Kremlin e tira Putin da linha de frente."

Gedenken an den ermordeten Boris Nemzow

Manifestação em apoio a Nemtsov em Moscou: oposição questiona linha de investigação

Ex-vice-comandante de um batalhão dos serviços de segurança da República da Chechênia, Zaur Dadayev teria confessado o crime. Gubashev, no entanto, negou seu envolvimento.

"A culpabilidade de Dadaev foi corroborada por sua confissão. Por isso, há motivos para adotar medidas cautelares", afirmou a juíza Natalya Mushnikova, ao decretar a prisão preventiva dos cinco suspeitos.

Aliado do presidente Vladimir Putin, o líder checheno Ramzan Kadyrov afirmou que Dadayev é um muçulmano que se ofendeu com as charges do profeta Maomé publicadas pelo Charlie Hebdo.

"Conheço Zaur como um autêntico patriota da Rússia. Se o tribunal confirma sua culpa, então é porque ele cometeu um grave crime ao assassinar um homem. Mas insisto que ele não poderia dar nem um passo contra a Rússia, pela qual arriscou a própria vida durante muitos anos", escreveu Kadyrov na noite de domingo em seu Instagram.

O líder oposicionista Boris Nemtsov, de 55 anos, foi assassinado a tiros em 27 de fevereiro, numa ponte próxima ao Kremlin, quando caminhava ao lado da namorada, a modelo ucraniana Anna Duritskaya. Na terça-feira, Nemtsov foi sepultado num cemitério de Moscou.

RPR/rtr/efe

Leia mais